General Electric

Ministro espera que unidade da General Electric em Setúbal encontre uma solução

A General Electric pretende realizar um spin off da sua unidade de saúde.
A General Electric pretende realizar um spin off da sua unidade de saúde.

Caldeira Cabral disse que a situação daquela unidade tem a ver com problemas "do grupo a nível mundial" que têm reflexos na subsidiária.

O ministro da Economia afirmou esta terça-feira esperar que a unidade da General Electric em Setúbal encontre “uma solução que escape” à reestruturação internacional, acompanhando o assunto no sentido de “que não haja encerramento”.

No início de dezembro passado, a General Electric (GE) anunciou que previa a redução de cerca de 200 postos de trabalho em Setúbal, no âmbito de uma reestruturação da unidade de energia ma Europa e que terá impacto em Portugal.

Questionado sobre a situação da empresa pelo deputado comunista Bruno Dias, durante a audição parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, Manuel Caldeira Cabral recordou que a empresa, “a nível mundial, está a fazer despedimentos em grande escala que afetam também a unidade portuguesa”.

Por isso, “estamos a acompanhar a situação no sentido de que não haja encerramento porque é um dos perigos que está iminente”, salientou o governante, acrescentando esperar que, “principalmente, não se perca aquela capacidade produtiva dos trabalhadores altamente especializados que ali estão e de formação”.

O governante sublinhou que a situação daquela unidade não tem a ver com “problemas específicos da unidade portuguesa”, mas antes “do grupo a nível mundial” que têm reflexos na subsidiária.

“O que se espera é que a unidade portuguesa possa encontrar uma solução que escape a essa reestruturação internacional”, rematou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Ministro espera que unidade da General Electric em Setúbal encontre uma solução