Ouro

Canadianos deixam ouro no Alentejo e salários por pagar

Fotografia:.  EPA
Fotografia:. EPA

Trabalhadores pediram insolvência da Eurocolt Resources por falta de pagamento de salários desde maio de 2016

A Eurocolt Resources, subsidiária portuguesa dos canadianos da Colt Resources, abandonaram a zona do Alentejo. A empresa está em processo de insolvência, a pedido dos trabalhadores, que terão deixado de receber ordenado em maio de 2016. Ninguém sabe o paradeiro dos donos da empresa e o Estado prepara-se para extinguir os contratos assinados em 2011.

“A atividade da empresa em Portugal ficou completamente suspensa deixando de existir qualquer interlocutor e, por conseguinte, sem continuação dos trabalhos contratualizados com o Estado português”, refere fonte oficial do Ministério da Economia ao Jornal de Negócios desta segunda-feira. “Neste momento encontra-se a decorrer na Direção Geral de Energia e Geologia o respetivo procedimento da extinção dos diversos contratos”, acrescenta a mesma fonte.

A empresa canadiana assinou em novembro de 2011 com o Governo português contratos de exploração experimental nas freguesias de Nossa Senhora da Boa-Fé, em Évora, e Santiago do Estoural, concelho de Montemor-o-Novo. Esta licença teve uma duração de três anos, extensível por mais seis meses, e no fim deste período, se se confirmasse a viabilidade da mina, o projeto entraria em fase de exploração.

No entanto, nunca mais se ouviu falar da empresa e a negociação nas bolsas de Toronto e Frankfurt está suspensa. Os trabalhadores pediram em junho de 2017 a insolvência da Eurocolt por não reconhecerem “património suficiente para pagamento das dívidas existentes”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ex-presidente do BPN, José Oliveira Costa. Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Finanças. Antigo BPN está a ajudar a reduzir défice deste ano

Vieira da Silva e Cláudia Joaquim
Fotografia: Leonardo Negr‹ão / Global Imagens

Governo admite eliminar factor de sustentabilidade noutros tipos de pensões

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Regras das pensões antecipadas que existem em 2018 vão manter-se

Outros conteúdos GMG
Canadianos deixam ouro no Alentejo e salários por pagar