Carlos Costa pagou quase 2 milhões de euros para vender Banif

Consultora Oliver Wyman ganhou 1.845.000 euros, valor sem IVA, ao qual pode acrescer o reembolso das despesas de transporte e alojamento

O Banco de Portugal governado por Carlos Costa pagou 1,845 milhões de euros à consultora Oliver Wyman por uma ajuda na venda do Banif. O valor surge no contrato entre as partes divulgado no portal oficial do governo.

O Banif foi vendido a custo e em contrarrelógio na reta final de 2015 ao grupo Santander, por 150 milhões de euros, e exigiu quase 3000 milhões de euros em ajudas públicas (capital e garantias).

De acordo com o documento, divulgado na quinta-feira pelo portal Base, mas noticiado primeiro no final da tarde desta sexta-feira pelo Negócios online, o contrato só foi celebrado a 4 de fevereiro deste ano, mas diz respeito a serviços prestados durante quase três meses pela consultora no âmbito do processo de alienação do Banif.

O Negócios explica que embora o contrato não mencione o nome da Oliver Wyman, o envolvimento da consultora na organização e venda do Banif foi várias vezes mencionado em notícias recentes. "Além de que foi a unidade de resolução do regulador que co-assinou o contrato."

O banco madeirense viria a colapsar (houve mesmo uma corrida aos depósitos) e depois a ser vendido com prejuízo para as contas públicas no final de 2015.

Antes disso, segundo a informação do portal Base, a consultora esteve mais de dois meses a trabalhar no assunto. "O contrato reporta os seus efeitos a 21 de outubro de 2015 e mantém-se em vigor até 31 de dezembro de 2015, renovando-se automaticamente no seu termo por iguais e sucessivos períodos de 1 (uma) semana, até um máximo de 20 semanas salvo denúncia por qualquer das partes", lê-se.

1.845.000 euros sem IVA. Mais despesas

Assim, ficou acordado entre o Banco de Portugal (os dois diretores que assinaram em nome do Banco são Eugénio Gaspar e João Freitas) "o preço contratual máximo de 1.845.000 euros (um milhão oitocentos e quarenta e cinco mil euros), valor sem IVA, ao qual pode acrescer o reembolso das despesas de transporte e alojamento, com um limite de 15% ao preço fixado".

O Banif comprometeu já quase 3000 milhões de euros em apoios públicos. Cerca de 2255 milhões no âmbito da resolução com garantias e capitalização direta por parte do Estado, mais 825 milhões de euros que já vinham de trás, da primeira ajuda estatal (assinada pelo ministro das Finanças da altura, Vítor Gaspar).

Além da soma avultada suportada pelos contribuintes, o caso Banif provocou prejuízos sérios à imagem do país: Portugal podia ter ficado com um défice de 3% ou ligeiramente menos, mas assim voltou a violar o Pacto de Estabilidade, acabando o ano com 4,3%. Foi e tem sido amplamente censurado e criticado por isso nos fóruns internacionais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de