calçado

Carlos Santos na Printemps em Paris

Fotografia: DR
Fotografia: DR

A Carlos Santos é uma das mais exclusivas marcas portuguesas de calçado para homem e conta, agora, com um novo ponto de venda, um ‘corner’ nas galerias Printemps, em Paris.

A aposta é recente, tem apenas dois meses, mas Carlos Santos, o empresário que deu nome à marca, está satisfeito com a oportunidade. “É muito cedo ainda, é uma experiência que começou há dois meses, mas está a correr muito bem”, diz o empresário, lembrando que as galerias Printemps são “uma montra muito interessante” para o mercado asiático.

Carlos Santos nunca escondeu a vontade de um dia poder abrir lojas próprias da marca e a presença num ‘corner’ exclusivo da Printemps é um princípio. “Não é fácil. Quando chegar o momento certo, avançaremos. Mas esse é um projeto que tem de ser bem ponderado porque não é só abrir lojas, é todos os custos e responsabilidades que acarretam”, refere.

No entanto, a aposta passa pelo reforço de vendas com a expansão da marca “para o mundo todo”, da Europa à Ásia, passando pelos Estados Unidos onde a empresa está a “vender bastante”, mas não com marca própria ainda. Na Ásia tem clientes em Singapura, Hong Kong e Índia, entre outros, e a intenção é intensificar esta aposta. “Todos os mercados são importantes. Quanto mais expandirmos, melhor para a sustentabilidade da marca. E estamos no bom caminho, porque já estamos a ser muito procurados. Vencemos a etapa do reconhecimento”, salienta Carlos Santos, sublinhando o “grande trabalho” que a marca tem vindo a fazer nas redes sociais.

*A jornalista viajou a convite da APICCAPS

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Comissão Europeia, Bruxelas (REUTERS)

Bruxelas revê estimativas. Economia da zona euro deverá recuar 8,7% em 2020

Mário Centeno


TIAGO PETINGA/LUSA

Centeno defende repensar das regras da dívida e do défice na UE

Carlos Santos na Printemps em Paris