Carregar um carro elétrico na Europa é quase impossível

Países da União Europeia falharam metas de instalação de carregadores e muitos estados-membros - Portugal incluído - ainda não têm soluções de pagamento para estrangeiros, avalia Tribunal de Contas europeu.

Carregar um carro elétrico na Europa é uma tarefa quase impossível. Faltam postos de carga e opções de pagamento para estrangeiros, concluiu o Tribunal de Contas europeu numa análise ao investimento em infraestruturas nesta área entre 2014 e 2020 divulgada esta terça-feira. Portugal é um dos 13 países da União Europeia que não cumpriram as metas de carregadores.

Por exemplo, se um condutor português quiser carregar um automóvel em Espanha, tem de ter várias opções prontas: instalar uma aplicação de telemóvel, utilizar um cartão de crédito ou mesmo um cartão específico para os postos de carregamento.

Caso um condutor espanhol queira carregar um automóvel em Portugal, é obrigado a ter um contrato com um comercializador de eletricidade para a mobilidade elétrica (CEME), que fornece um cartão físico à rede de mais de 1400 postos de acesso público da Mobi.E. Apenas desta forma poderá dar bateria ao automóvel. É para situações como esta que o Tribunal de Contas europeu chama a atenção no relatório.

"Não existem sistemas harmonizados de roaming com requisitos mínimos que permitam aos utilizadores de veículos elétricos recorrer a todas as diferentes redes de carregamento da UE sob um contrato único. Assim, dependendo dos operadores de pontos de carregamento e prestadores de serviços de mobilidade a que recorrem, os condutores de veículos elétricos podem precisar de assinaturas múltiplas e utilizar diferentes métodos de pagamento", apontam os auditores.

O Tribunal de Contas europeu recomenda que se desenvolvam soluções de pagamento próprias para este tipo de situações. A utilização de cartões de crédito e o uso de aplicações móveis que não impliquem contratos com comercializadores são as principais sugestões.

Ao Dinheiro Vivo, o líder da Associação de Utilizadores Veículos, Henrique Sánchez, recorda que a diretiva europeia "prevê a existência de opções de carregamento sem ser necessário um contrato com um CEME" e que Portugal "ainda está em incumprimento" relativamente a esta matéria. Esta situação apenas deverá estar resolvida mais perto do verão.

Ainda sobre os carregamentos, os auditores salientam a inexistência de "informações em tempo real sobre, por exemplo, carregadores defeituosos ou filas de espera. [...] pode ser difícil obter informações completas sobre o custo de uma sessão de carregamento e não existe uma norma para a apresentação dos preços nos pontos de carregamento".

Para melhorar a situação, segundo o Tribunal de Contas europeu, a Comissão Europeia "está a elaborar um pedido, a endereçar às organizações europeias de normalização, para que desenvolvam novas normas e concluam as existentes, de forma a permitir a total interoperabilidade das comunicações (incluindo o roaming) no domínio do carregamento de veículos elétricos. Espera-se que a maioria das normas seja concluída até 2023, para posterior adoção no quadro da revisão da Diretiva Infraestrutura para Combustíveis Alternativos".

Faltam metas

Os auditores também chamam a atenção para a falta de metas "claras e coerentes" na UE relativamente aos postos de carregamento.

No seu plano de ação de 2017 relativo à infraestrutura para combustíveis alternativos, a Comissão estimou que o número de pontos de carregamento acessíveis ao público teria de aumentar dos 118 000 disponíveis na altura para 440 000 em 2020 e para cerca de 2 milhões em 2025. No Pacto Ecológico, de 2019, a estimativa para 2025 foi atualizada para 1 milhão de pontos de carregamento públicos. Na estratégia de mobilidade sustentável e inteligente, de 2020, foi apontada a necessidade de 3 milhões de pontos de carregamento públicos até 2030

Segundo os auditores, "subsiste uma incerteza considerável sobre estas estimativas e as medidas necessárias para atingir as metas fixadas. A UE não dispõe de um roteiro estratégico global para a eletromobilidade nem de uma política integrada em matéria de veículos, infraestruturas, redes, baterias, incentivos económicos, matérias-primas e serviços digitais".

No final de setembro de 2020, Portugal contava com 2141 pontos de carregamento, segundo as contas do Observatório Europeu dos Combustíveis Alternativos. No entanto, no final de 2020, havia mais de 1400 postos de carregamento na rede Mobi.E. Habitualmente, cada posto de carregamento conta com duas tomadas. Ou seja, há contas diferentes entre as entidades europeias e portuguesas.

Pelas contas europeias, Portugal foi um dos 13 países que não cumpriram as metas dos quadros de ação nacionais para 2020, ficando acima dos 90%

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de