transportes

Carris sobe preços dos bilhetes em janeiro. Passes ficam congelados

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA
Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transportadora sobe preços dos bilhetes comprados a bordo ou títulos diários. Passes não sofrem alterações no tarifário.

Andar de autocarro dentro do concelho de Lisboa vai ficar mais caro a partir de 1 de janeiro mas não para todos. A Carris apenas vai subir os preços dos bilhetes ocasionais, deixando os passes sem mudanças no tarifário.

As maiores mexidas serão sentidas pelas pessoas que comprarem o bilhete dentro do autocarro – o que acontece sobretudo aos turistas. A tarifa de bordo no autocarro vai aumentar 15 cêntimos, de 1,85 euros para 2 euros, de acordo com o aviso deixado esta semana pela empresa na sua página oficial.

Os elétricos e os elevadores da cidade, também geridos pela Carris, sofrem subidas menos expressivas: o bilhete comprado dentro do elétrico fica 10 cêntimos mais caro (de 2,90 para 3 euros); se quiser usar os elevadores da Bica, Glória e Livra terá de gastar mais 10 cêntimos (de 3,70 para 3,80 euros). O bilhete para o elevador de Santa Justa (que também dá acesso ao Miradouro), passará a custar mais 15 cêntimos (de 5,15 para 5,30 euros).

Os bilhetes de 24 horas da Carris também não fogem às subidas: o título que dá acesso de um dia à Carris e ao aumento vai subir dos 6,30 para os 6,40 euros; o bilhete que inclui autocarro, metro e barco ficará a 9,50 euros (em vez de 9,35 euros); o bilhete conjunto entre Carris, Metro e CP subirá dos 10,40 para 10,55 euros.

Cada viagem de autocarro do cartão Zapping passará a custar 1,35, mais cinco cêntimos do que atualmente.

Para 2019, ficou definido um aumento médio do preço dos transportes públicos de 1,14%.

A Carris, a partir de janeiro, vai ter quatro novos autocarros por semana. No total, serão 250 novos veículos com baixas emissões, porque serão movidos a gás natural.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Carris sobe preços dos bilhetes em janeiro. Passes ficam congelados