Tecnologia

Casa da Moeda investe 1,7 milhões em ecossistema de robôs

DR
DR

Universidade Nova de Lisboa está a desenvolver sistema com veículos robôs e armazém inteligente.

Os robôs estão na moda e agora é a Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) a querer “beber” o que de melhor a robótica e a inteligência artificial têm. O objetivo? Tornar o processo de recolha e distribuição de cartões do cidadão e passaportes mais eficiente, inteligente e rápido.

Na Faculdade de Ciência e Tecnologia da Nova de Lisboa, o departamento Robotics & Industrial Complex Systems (RICS) está a trabalhar neste projeto robótico ambicioso chamado INTMOB. O projeto inicial que ganhou um prémio de inovação era de 500 mil euros para um robô autónomo. Entretanto, o projeto aumentou e passou a ter 1,7 milhões de euros de financiamento. “O INCM passou a pretender que fizéssemos todo um ecossistema para tornar mais eficiente a entrega de passaportes e cartões de cidadão para todo o país”, explica o investigador José Barata, responsável do projeto, que admite que “tudo ficará mais inteligente e automático.

Para isso, estão a desenvolver dois veículos robôs diferentes, dois braços robóticos (para colocar e tirar o material dos robôs) e uma máquina de armazenamento inteligente e completamente robotizada dos passaportes e cartões de cidadão. Se o primeiro veículo robô recolhe os documentos da máquina que os produz e transporta para o armazém inteligente, este último organiza os passaportes e cartões de cidadão por zona do país (faz a sua leitura digital para o efeito) e devolve-os, por ordem, para um segundo robô (este último com uma cúpula com a máxima segurança) que os encaminha para os locais de distribuição. Tudo isto dentro da Casa da Moeda, embora o último robô saia da zona considerada mais segura e limitada. Em 2019 já terão boa parte da tecnologia pronta para testes.

A automação vai permitir ganhar muito mais eficiência e rapidez nos processos e uma grande poupança no número de viagens para cada zona do país (com a organização dos documentos por zonas serão menos as viagens feitas). O projeto vai permitir ter uma maior segurança (e saber a localização exata) relativamente a todos os materiais de valor transportados dentro da INCM, como também libertar os colaboradores de tarefas pesadas e automatizadas. “O objetivo não é tirar empregos às pessoas.”

Este departamento, o RICS da Nova de Lisboa, também já fez um robô autónomo para uma fábrica de automóveis na Turquia. Parte dessa tecnologia vai agora ser reutilizada no projeto da Casa da Moeda.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fiadores tendem a ser idosos

Pensões sobem em janeiro entre 0,8% e 1,5%, com mínimo de 6 euros

Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Valor máximo do subsídio de desemprego sobe 16 euros em 2019

José Neves, CEO da Farfetch. Fotografia:  REUTERS/Toby Melville

Farfetch compra empresa de calçado desportivo por 250 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Casa da Moeda investe 1,7 milhões em ecossistema de robôs