jogo

Casinos perdem jogo a semanas do lançamento de novos concursos

Reuters
Reuters

No ano passado, as receitas caíram mais de 1%, somando apenas 315 milhões. Concursos para as zonas do Estoril e da Figueira prestes a serem lançados

Os onze casinos portugueses geraram, no ano passado, receitas brutas de jogo de 315,2 milhões de euros, uma quebra de 1,1% em relação a 2018. Este decréscimo reflete, sobretudo, as performances negativas das salas do Estoril, Lisboa e Espinho, as maiores do país. O contínuo crescimento dos jogos sociais, com foco na raspadinha, e online está a fazer mossa às operadoras dos casinos, num momento em que estão prestes a ser lançados os concursos públicos para a concessão da zona de jogo do Estoril e da Figueira da Foz, cujos prazos terminam no fim deste ano.

Lisboa, a estrela entre os casinos físicos em Portugal, é a que apresenta a maior quebra de receitas. A sala da capital garantiu 84,6 milhões de euros em 2019, menos 2,4% que no ano anterior, revelam os dados da Associação Portuguesa de Casinos, a que o Dinheiro Vivo teve acesso. No Estoril, a descida foi de 2%, totalizando 62,8 milhões. Estes dois casinos integram a zona de jogo do Estoril, nas mãos de Stanley Ho, cuja concessão será alvo de concurso público internacional a ser apresentado nas próximas semanas. Ainda dentro do universo da Estoril-Sol, a sala da Póvoa apresentou uma descida de 1,4%, com receitas de 45,3 milhões.

Segundo fonte oficial da Secretaria de Estado do Turismo, “está em curso o processo de elaboração das peças procedimentais dos concursos”, estando previsto “que os mesmos sejam lançados no início do próximo ano”. Também a 31 de dezembro deste ano termina o prazo de concessão da zona de jogo da Figueira da Foz, atualmente explorada pela Amorim Turismo. Esta sala está em contra-ciclo com a globalidade do setor, tendo obtido receitas de 16,4 milhões, um crescimento de 3,6%.

Algarve em baixa
O grupo Solverde, liderado por Manuel Violas, viu também os seus casinos de Espinho e do Algarve fecharem o ano em baixa. Em Espinho, as receitas caíram 2,3%, somando 48,9 milhões de euros, pressionadas por um menor dinamismo dos jogos bancados (roleta, póquer, bacará…). Os três casinos algarvios – Praia da Rocha, Vilamoura e Monte Gordo – não tiveram melhor sorte e terminaram 2019 com uma quebra de 0,4%, para 35,4 milhões. Já a sala de Chaves, também concessionada à Solverde, viu os proveitos aumentarem 1,2%, para mais de oito milhões de euros.

O casino de Tróia, que está a ser explorado pelo fundo Aquaris, aumentou as receitas de jogo em 2,4%, encerrando 2019 a contabilizar 4,1 milhões de euros. Na Madeira, o grupo Pestana conseguiu garantir um crescimento de 11,2% na sala do Funchal, totalizando no fim do exercício 9,4 milhões.

O país tem ainda um casino em operação nos Açores, desde março de 2017, mas que não integra as estatísticas da APC, por não fazer parte desta associação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
conselho das finanças públicas OE2019 orçamento CFP

Impostos incobráveis disparam 27% para 6,4 mil milhões de euros em 2019

carlos costa banco de portugal

Carlos Costa termina mandato amanhã. Centeno enfrenta deputados no parlamento

Fotografia: João Silva/ Global Imagens

Marcelo. É preciso “olhar para a frente e lutar” pelo turismo algarvio

Casinos perdem jogo a semanas do lançamento de novos concursos