Imobiliário

Century 21 cresce 31%, mas não foi à boleia dos estrangeiros

Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Portugal. Foto: Jorge Carmona/Global Imagens
Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Portugal. Foto: Jorge Carmona/Global Imagens

Imobiliária reforçou os negócios com os investidores internacionais, mas foram os portugueses que se destacaram e regressaram à compra de casa.

A Century 21 Portugal fechou 2015 com uma faturação de 20 milhões de euros, mais 31% que no ano anterior, revelou a empresa. Este é o montante total das comissões conseguidas com com as 7250 transações realizadas no ano passado, também mais 32% que as efetuadas no ano anterior.

A justificar parte deste crescimento que, segundo o administrador da empresa, Ricardo Sousa, fez de 2015 “o melhor ano para a empresa em Portugal”, estão as operações com investidores estrangeiros. Estas cresceram 18% (para 1819) e já representam 25% do total realizado. No entanto, o bom desempenho da mediadora justifica-se com os portugueses.

“O principal motor do mercado imobiliário são as famílias portuguesas. A evolução registada no montante de novas operações de crédito à habitação permitiu que muitas famílias regressassem ao mercado, para comprar e vender os seus imóveis”, disse Ricardo Sousa em entrevista ao Dinheiro Vivo. De facto, de acordo com os dados mais recentes do banco de Portugal, no terceiro trimestre de 2015, o montante de novas operações de crédito à habitação já superava os mil milhões de euros. Ou seja, mais 44% que no primeiro trimestre do ano passado e mais 92% que no terceiro trimestre de 2014.

Contudo, “este efeito sentiu-se, sobretudo, nos mercados periféricos, onde se registaram os aumentos mais significativos das transações face ao ano anterior”, ou seja, “a dinâmica maior verificou-se no segmento de imóveis da classe média e média baixa “, nota Ricardo Sousa.

Não é por isso de admirar que os valores dos imóveis transacionados no país não tenham sofrido grandes alterações entre 2014 e 2015 e que, diz a Century 21, os preços das casas só estejam a subir onde há uma procura mais ativa por parte dos estrangeiros, ou seja, em zonas específicas de Lisboa, Porto e Algarve.

A comprová-lo estão os dados da Confidencial Imobiliário, que divulga as estatísticas do mercado, e segundo os quais os preços médios por m2 na Área Metropolitana de Lisboa e do Porto só subiram, respectivamente, 1,3% e 1,2%. Já no Centro e no Algarve subiram 1,4% e 1,6%, e na região Norte até desceram 2,3%.

Aliás, esta situação foi também evidente na atividade da Century 21 em 2015, com o preço médio das casas mediadas a ser de 130 mil euros, ou seja, menos 7% que o valor médio de venda do ano anterior. Ainda assim, e por via do aumento das transações realizadas pela empresa, o valor total das casas mediadas pela Century 21 aumentou 19% em 2015, para 471,25 milhões de euros.

Arrendamento continua a recuar

A Century 21 destaca ainda uma nova descida das transações de arrendamento na atividade da empresa em 2015, uma tendência que já se vem notando desde 2014.

Assim, o ano passado, os arrendamentos voltaram a diminuir 4% para 4233 transações, passando agora a pesar apenas 37% do total, ou seja, menos 7% que os 44% de 2014. Além disso, notou-se ainda uma subida dos valores médios das rendas que passaram de 532 para 550 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
2. Os telemóveis desvalorizam até 78% do investimento num ano

Burlas com SMS custam um milhão por ano aos consumidores

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

Austin, EUA

Conheça o ranking das cidades mais desejadas pelos millennials em 2020

Century 21 cresce 31%, mas não foi à boleia dos estrangeiros