Tecnologia

CEO da Intel demite-se devido a relacionamento com um funcionário

Brian Krzanich | CEO da Intel
Brian Krzanich apresenta um mini-drone na feira internacional de tecnologia CES. Foto: REUTERS/Rick Wilking

O diretor financeiro da empresa, Robert Swan, vai ocupar provisoriamente o cargo de diretor executivo com efeitos imediatos.

A Intel anunciou esta quinta-feira a saída de Brian Krzanich da posição de diretor executivo. A demissão surge após uma investigação da empresa ter concluído que o CEO manteve um relacionamento consensual com um funcionário, algo que vai contra as políticas da tecnológica.

“Uma investigação feita por um conselho interno e externo confirmou a violação da política de não-confraternização, que se aplica a todos os gestores”, escreve a gigante norte-americana em comunicado.

A posição de diretor executivo vai ser ocupada, temporariamente, por Robert Swan, o diretor financeiro. “O Conselho de Administração acredita fortemente na estratégia da Intel e estamos confiantes na capacidade do Robert Swan em liderar a empresa enquanto conduzimos uma busca robusta pelo nosso próximo CEO”, escreveu ainda a Intel em comunicado.

A fabricante de processadores diz que vai procurar dentro e fora da empresa para encontrar o seu próximo líder.

Krzanich e o período difícil da Intel
Brian Krzanich, de 58 anos, entrou para a Intel em 1982. Ocupou diferentes cargos ao longo dos anos e em janeiro de 2012 foi nomeado como diretor de operações (COO). Em maio de 2013 chegou ao cargo de diretor executivo, no qual enfrentou um dos períodos mais desafiantes da Intel.

A empresa, que durante muito tempo foi a força dominante no segmento dos processadores, perdeu peso nos últimos anos por não ter respondido de forma adequada à chegada dos dispositivos móveis. A Intel continua a ser a principal fabricante de processadores para computadores, mas nos smartphones e tablets perdeu terreno para a ARM, Qualcomm e Samsung.

O executivo também vai ficar para sempre ligado a uma das piores falhas de segurança dos últimos tempos – as vulnerabilidades Spectre e Meltdown (exclusiva de equipamentos Intel), que permitiam aceder a partes de informação, não encriptada, que é processada nos dispositivos.

Mas nem tudo foi negativo na liderança de Brian Krzanich: o executivo expandiu a presença da empresa em mercados como o da Internet das Coisas e dos veículos autónomos, este último muito graças à aquisição da empresa israelita Mobileye por 15 mil milhões de dólares.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
CEO da Intel demite-se devido a relacionamento com um funcionário