Indústria

Cerealto: Condições laborais da fábrica da Mondelez são para manter

Santiago Suaréz, diretor de mercado da Cerealto para Portugal. Fotografia: D.R.
Santiago Suaréz, diretor de mercado da Cerealto para Portugal. Fotografia: D.R.

"Não estão previstos cortes de qualquer natureza" na fábrica da Mondelez em Mem Martins

A Cerealto anunciou, este mês, que chegou a acordo com a Mondelez International para comprar a fábrica de bolachas em Mem Martins, no concelho de Sintra, que ia ser encerrada. O acordo, garante a Cerealto, implica a manutenção de todos os postos de trabalho e condições laborais em vigor.

“Não estão previstos cortes de qualquer natureza”, garantiu ao Dinheiro Vivo Santiago Suaréz, diretor de mercado da Cerealto para Portugal. “A intenção da Cerealto é aproveitar as sinergias com o resto das fábricas do grupo, de forma a ganhar eficiência e competitividade”, explica.

A fábrica de Mem Martins conta com 92 trabalhadores e a Cerealto “formalizou um acordo que assegura a manutenção de 100% dos postos de trabalho, as condições laborais em vigor e a antiguidade dos trabalhadores”, refere Santiago Suaréz, não revelando, o valor do investimento feito nesta operação.

Para os próximos anos, o objetivo da Cerealto é aumentar a força de trabalho, de forma a “criar mais riqueza” em Portugal.

A Cerealto tem ainda um plano de negócios para a fábrica de Mem Martins que inclui vários investimentos. “Numa primeira fase, vai focar-se em conseguir uma bem-sucedida integração de colaboradores e de procedimentos e na adaptação da fábrica à Política de Qualidade e Segurança aplicada às restantes unidades do Grupo”, detalha o responsável.

A empresa assume a gestão da fábrica de Mem Martins a 1 de agosto e, neste momento, está ainda a determinar quais as operações que serão transferidas para a fábricas.

A Cerealto irá ainda introduzir novos produtos destinados a Portugal e a mercados de exportação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Paulo Spranger/Global Imagens)

Depois de pagar a renda sobram 450 euros ao salário dos lisboetas

(Paulo Spranger/Global Imagens)

Depois de pagar a renda sobram 450 euros ao salário dos lisboetas

Aptoide | Paulo Trezentos | Álvaro Pinto

Portuguesa Aptoide já negoceia com Huawei para ser alternativa à Google

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Cerealto: Condições laborais da fábrica da Mondelez são para manter