Indústria

Cerealto: Condições laborais da fábrica da Mondelez são para manter

"Não estão previstos cortes de qualquer natureza" na fábrica da Mondelez em Mem Martins

A Cerealto anunciou, este mês, que chegou a acordo com a Mondelez International para comprar a fábrica de bolachas em Mem Martins, no concelho de Sintra, que ia ser encerrada. O acordo, garante a Cerealto, implica a manutenção de todos os postos de trabalho e condições laborais em vigor.

“Não estão previstos cortes de qualquer natureza”, garantiu ao Dinheiro Vivo Santiago Suaréz, diretor de mercado da Cerealto para Portugal. “A intenção da Cerealto é aproveitar as sinergias com o resto das fábricas do grupo, de forma a ganhar eficiência e competitividade”, explica.

A fábrica de Mem Martins conta com 92 trabalhadores e a Cerealto “formalizou um acordo que assegura a manutenção de 100% dos postos de trabalho, as condições laborais em vigor e a antiguidade dos trabalhadores”, refere Santiago Suaréz, não revelando, o valor do investimento feito nesta operação.

Para os próximos anos, o objetivo da Cerealto é aumentar a força de trabalho, de forma a “criar mais riqueza” em Portugal.

A Cerealto tem ainda um plano de negócios para a fábrica de Mem Martins que inclui vários investimentos. “Numa primeira fase, vai focar-se em conseguir uma bem-sucedida integração de colaboradores e de procedimentos e na adaptação da fábrica à Política de Qualidade e Segurança aplicada às restantes unidades do Grupo”, detalha o responsável.

A empresa assume a gestão da fábrica de Mem Martins a 1 de agosto e, neste momento, está ainda a determinar quais as operações que serão transferidas para a fábricas.

A Cerealto irá ainda introduzir novos produtos destinados a Portugal e a mercados de exportação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Cerealto: Condições laborais da fábrica da Mondelez são para manter