Parceria

Chanel investe na portuguesa Farfetch

José Neves, fundador da Farfetch. Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens
José Neves, fundador da Farfetch. Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens

Através de uma parceria, anunciada esta segunda-feira, a marca de luxo adquiriu uma participação minoritária na tecnológica portuguesa

A francesa Chanel adquiriu uma participação minoritária na Farfetch, uma plataforma de moda de luxo fundada pelo português José Neves. Ambas as empresas selaram uma parceria que visa o desenvolvimento de ferramentais digitais que permitam à marca de luxo criar uma maior e mais fácil ligação com os seus clientes e lojas espalhados pelo mundo.

Através do acordo com a Farfetch, anunciado esta segunda-feira, a Chanel não irá vender os seus produtos através da plataforma portuguesa, mas vai trabalhar com ela para, ao longo dos próximos cinco anos (duração do contrato assinado), desenvolver inovações digitais direcionadas para o serviço ao cliente, suportadas pela realidade aumentada ou, como lhe chama José Neves, o “retalho aumentado”

Quer isto dizer que o acordo prevê a criação de ferramentas como, por exemplo, aplicações para o smartphone, através das quais os clientes da marca podem identificar os produtos – e respetivos tamanhos – da sua preferência antes de entrarem na loja, o que lhes trará um atendimento mais personalizado feito pelos responsáveis do espaço.

Esta decisão marca uma mudança de rumo de uma das mais conhecidas marcas mundiais, que inicialmente tinha decidido manter-se fiel ao negócio de loja, mantendo as vendas online em ‘modo automático’. Contudo, graças à empresa de origem lusitana, atualmente sediada em Londres, isso mudou graças às soluções necessárias para que a empresa consiga utilizar a tecnologia da forma que ambicionava.


Leia também Farfetch aposta no mercado de luxo do Médio Oriente


Em declarações escritas ao Dinheiro Vivo, José Neves, CEO da Farfetch, destaca a “honra” que é trabalhar com uma marca como a Chanel, que irá permitir à empresa “acelerar o desenvolvimento de iniciativas tecnológicas que permitam à marca [Chanel] manter-se na linha da frente do retalho de excelência”. “Nós acreditamos que o futuro da moda de luxo depende da reinvenção do serviço que presta ao cliente”, considera ainda José Neves, reforçando que a sua empresa “tem investido mais do que qualquer outra na tecnologia”.

“Chamamos a isto o ‘retalho aumentado’ – tirar partido da magia da experiência numa botique física e juntá-la às vantagens dos serviços online e digitais”, acrescenta o empresário.

A Farfetch confirma a aquisição de uma participação minoritária por parte da empresa francesa, não adiantando, contudo, os valores do negócio.

À agência Reuters, o presidente da Chanel, Bruno Pavlovsky, garantiu que a empresa não quer ‘espiar’ os seus clientes, mas sim “criar uma relação mais rica” com eles, ao ir de encontro às suas preferências.

O acordo dá, assim, continuidade à pujança empresarial da firma portuguesa, que já na semana passada tinha assinado uma parceria com a Burberry, que vai passar a vender os seus produtos – também eles de luxo – a partir da plataforma da Farfetch para mais de 150 países.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Idosos com isenção de mais-valias se aplicarem dinheiro em PPR

Cecília Meireles

CDS também quer IRS atualizado à taxa de inflação

Foto: Filipe Amorim/Global Imagens

“A banca não está a ajudar o Sporting na emissão obrigacionista”

Outros conteúdos GMG
Chanel investe na portuguesa Farfetch