Empresas tecnológicas

China tem a startup da área de IA mais valiosa do mundo

Fotografia: REUTERS/Jason Lee
Fotografia: REUTERS/Jason Lee

A SenseTime, uma startup chinesa de inteligência artificial, captou uma ronda de 600 milhões de dólares e é a mais valiosa do mundo nesta área.

A startup mais valiosa do mundo na área da inteligência artificial (IA) é chinesa. A SenseTime, startup chinesa desta área, fechou recentemente uma ronda de financiamento de Série C, no valor de 600 milhões de dólares, escreve a publicação norte-americana TechCrunch.

Além de este ser um montante elevado para uma ronda de investimento (a mais elevada em termos mundiais para startups da área da inteligência artificial), a empresa chinesa terá conseguido captar financiamento junto de gigantes tecnológicos. Esta ronda terá sido liderada pelo gigante do comércio eletrónico Alibaba. A empresa fundada por Jack Ma será agora a maior investidora único da startup, segundo a Bloomberg, citada pela publicação.

Com esta ronda de financiamento, e de acordo com com o CEO da empresa, Li Xu, a empresa deverá apostar na expansão internacional e também para “alargar o âmbito da aplicação industrial da IA”. Além disso, indicaram fontes do mesmo meio de comunicação, a SenseTime ficou com uma avaliação de mais de 4,5 mil milhões de dólares.

Joe Tsai, vice-chairman executivo da Alibaba, defendeu que “a SenseTime está a fazer um trabalho pioneiro em inteligência artificial”. “Estamos particularmente impressionados pelas suas competências de pesquisa e desenvolvimento em ‘deep learning’ e computação visual. O nosso negócio na Alibaba está já a ter benefícios tangíveis devido ao nosso investimento em IA e estamos comprometidos com maior investimento”, acrescentou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
precários jovens licenciados

Jovens, precários e licenciados pagam ajustamento laboral da pandemia

Mealhada, 3/7/2020 -  O complexo Turístico Três Pinheiros, um espaço emblemático da Bairrada, apresentou um pedido de insolvência  na sequência das quebras provocadas pela pandemia de Covid-19.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mais insolvências e menos novas empresas em julho

Uma funcionária transporta máscaras de proteção individual na fábrica de confeções Petratex, em Carvalhosa, Paços de Ferreira, 27 de abril de 2020. HUGO DELGADO/LUSA

Mais de 60% dos “ausentes” do trabalho são mulheres

China tem a startup da área de IA mais valiosa do mundo