têxtil

Cinquenta e oito empresas portuguesas na feira têxtil Première Vision em Paris

Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens
Fotografia: Ivo Pereira/Global Imagens

Portugal chega a Paris com "promessa de seduzir e inspirar os milhares de visitantes da feira".

Cinquenta e oito empresas portuguesas participam de hoje a quinta-feira, em Paris, na feira de fios, tecidos, couro, design têxtil, acessórios e confeção Première Vision, que encaram como “um mercado que dita tendências” com “grande visibilidade internacional”.

Em comunicado, a Associação Selectiva Moda — que, no âmbito do projeto de internacionalização “From Portugal”, apoia 26 das empresas portuguesas presentes – adianta que “a primavera/verão 2019 será o destaque” desta edição da Première Vision.

Segundo a associação, entre os cerca de 1.900 expositores estará uma “forte presença lusa, que apresenta uma ampla oferta nas diferentes áreas do certame com a promessa de seduzir e inspirar os milhares de visitantes da feira”.

Presente na feira desde 2009, a especialista em malhas Lurdes Sampaio leva a esta edição da Première Vision malhas com fibras e acabamentos sustentáveis: “As nossas expectativas são boas, este é um mercado com elevada importância para nós e queremos dar continuidade ao trabalho que temos desenvolvido”, explica a administradora da empresa, Conceição Sá, citada no comunicado.

Também “presença habitual” no certame, a NGS Malhas (de Barcelos) apresenta uma nova coleção de malhas técnicas e de composição rica, sendo o principal objetivo desta aposta “consolidar a presença neste mercado”, enquanto a especialista em malhas sustentáveis Tintex destaca uma seleção de algodão baseada principalmente em algodão orgânico, BCI, Supima e ECOTEC, além de elastano.

“Queremos consolidar a nossa posição enquanto empresa líder em malhas sustentáveis e esta é uma feira global, onde convergem os clientes de todo o mundo”, afirma o presidente da Tintex, Mário Jorge Silva.

Para a ‘export manager’ da Troficolor, Celeste Freitas, a Première Vision “é uma feira de caráter obrigatório” ou não fosse “Paris é reconhecida internacionalmente como a capital da moda”: “É uma montra para os nossos produtos, um canal privilegiado de contato com clientes e o ‘checkpoint’ dos profissionais das mais importantes marcas internacionais”, sustenta.

Nesta edição, a empresa de Lousado, Vila Nova de Famalicão, aposta numa coleção primavera/verão onde dominam os ‘denim’ (gangas) de diferentes pesos e composições, orgânicos (denims e PFD com certificação GOTS), ou ‘popelines’ prontos a tingir ocupam um lugar de destaque, entre outros.

Na área de fios, a fabricante de fios têxteis Fifitex by SMBM parte para a sua segunda participação na feira “com boas expectativas, nomeadamente aumentar a visibilidade da marca e incrementar a carteira de clientes”, enquanto a estreante Têxtil António Falcão sugere para esta temporada “fios de poliéster e poliamida com partículas brilhantes” e justifica a aposta com o facto de a Première Vision ser “a principal feira têxtil a nível mundial”.

Também estreante no certame, na área de acessórios, a Envicorte destaca para esta participação a lingueta e os plissados, propondo-se a “expandir o negócio a nível internacional e, consequentemente, aumentar as exportações e o volume de negócio”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
imobiliario

Taxa de juro no crédito à habitação volta a subir em janeiro

O crédito à habitação foi o setor com o valor mais elevado

Redução no IMT obriga a viver seis anos na mesma casa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio, durante o terceiro e último dia do 37.º Congresso Nacional do PSD a decorrer no Centro de Congressos de Lisboa, em Lisboa, 18 de fevereiro de 2018. MÁRIO CRUZ/LUSA

Rio acusa Governo de ser “incapaz” de ter o futuro como prioridade nacional

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Cinquenta e oito empresas portuguesas na feira têxtil Première Vision em Paris