Coronavírus

Cirque Du Soleil abre processo insolvência. 3.500 funcionários despedidos

Cirque Du Soleil
Cirque Du Soleil (DR)

O Cirque du Soleil, responsável por espetáculo acrobáticos um pouco por todo o mundo, entrou com pedido de insolvência.

O anúncio foi feito esta segunda-feira, com a empresa com sede em Montreal a justificar o pedido de insolvência agora decretado pela “enorme interrupção e encerramento forçado de exibições como resultado da pandemia de covid-19” . O objetivo passa agora por reestruturar a sua dívida com assistência do governo do Canadá e de empresas de private equity.

A falência acontece três meses depois da empresa ter suspendido temporariamente a produção dos seus espetáculos, incluindo seis em Las Vegas. Também existiam cerca de 10 espetáculos em tour pelo mundo, onde se inclui “O”, “Michael Jackson One” e “The Beatles LOVE”.

A Cirque terá cerca de 1 mil milhão de dólares (890 milhões de euros) de dívidas, de acordo com a CNN, que se tornaram insustentáveis com a crise pandémica. É ainda anunciado que a Cirque está a despedir cerca de 3.500 funcionários.

“Nos últimos 36 anos, o Cirque du Soleil tem sido uma organização altamente bem-sucedida e lucrativa”, disse Daniel Lamarre, CEO do Cirque du Soleil Entertainment Group, em comunicado. “No entanto, com zero de receitas desde o encerramento forçado de todos os nossos espetáculos devido à covid-19, a administração teve que agir rapidamente para proteger o futuro da empresa”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Cirque Du Soleil abre processo insolvência. 3.500 funcionários despedidos