retalho

Clarel perde valor em reestruturação da dona do Minipreço

Clarel

Marca de cuidado pessoal e de perfumaria registou desvalorização de 51,37 milhões de euros. Há 71 lojas da Clarel em Portugal.

Há mais um problema no grupo Dia, que detém as lojas do Minipreço: a marca Clarel, também presente em Portugal, registou uma desvalorização de 51,37 milhões de euros ao longo de 2018. Esta informação é divulgada numa altura em que o grupo espanhol está a tentar vender, ao abrigo de um plano de reestruturação, a insígnia dedicada ao cuidado pessoal e perfumaria, adianta esta segunda-feira o jornal Expansión.

“Durante o exercício de 2018, a sociedade registou uma deterioração do valor das participações em empresas do grupo no valor de 51,37 milhões de euros, correspondentes à participação na entidade dependente Beauty by Dia, S.A. (Clarel)”, refere o jornal espanhol.

A marca Clarel, que conta com 71 lojas em Portugal, deveria render entre 150 e 200 milhões de euros; com esta desvalorização, deverá render entre 100 e 150 milhões de euros.

A venda desta marca é um dos pilares do plano de reestruturação do grupo Dia, que também se prepara para um aumento de capital de 600 milhões de euros e que vai ainda despedir até 2100 pessoas em Espanha.

A retalhista fechou o exercício de 2018 com prejuízos de 352,6 milhões de euros. Na semana passada, foi dada a conhecer a intenção do lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) voluntária sobre 70,9% do capital do Dia pela LetterOne, principal acionista da retalhista e que é controlada pelo milionário russo Mikhail Fridman. A LetterOne detém 29% do Dia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Clarel perde valor em reestruturação da dona do Minipreço