Tecnologia

Cloudflare elege Lisboa para novo centro europeu

Cloudflare

A Cloudflare escolheu Lisboa para um novo centro europeu, que apoiará a operação do quartel-general europeu, em Londres. Recrutamento já arrancou.

Há uns meses, os responsáveis da Cloudflare, empresa que disponibiliza uma rede de distribuição de conteúdo e serviços de segurança na Internet, estiveram em Portugal. A visita tornou-se conhecida através do Twitter e uma fotografia do aeroporto de Lisboa. Meses depois, a Cloudflare oficializa a escolha da capital portuguesa, através de uma publicação no blog da empresa.

Na publicação, assinada por John Graham-Cumming, o CTO da empresa, é referido que a Cloudflare “olhou para 45 cidades em 29 países, elaborando depois uma lista final de três cidades”. Através de comunicado, Matthew Price, o CEO da tecnológica, explica que “abrir um escritório em Lisboa oferece à Cloudflare a oportunidade inestimável de aceder a um novo conjunto de talentos técnicos que nos permitirá levar melhores produtos e serviços ao mercado.”

“A combinação de um grande ecossistema tecnológico em crescimento, uma política de imigração atrativa, estabilidade política, um elevado nível de vida” são algumas das razões apontadas para a escolha de Lisboa para receber este novo centro de engenharia. Além disso, a Cloudflare aponta também questões de natureza logística, como a vantagem do mesmo fuso horário em relação a Londres e a possibilidade de um voo direto para São Francisco, a principal localização da tecnológica.

Em comunicado, o presidente da AICEP, Luís Castro Henriques, destaca a capacidade portuguesa para atrair centros especializados. “Portugal tem conseguido atrair centros tecnológicos cada vez mais especializados e com maior valor acrescentado e a AICEP tem trabalhado ativamente para que estes projetos se concretizem, traduzindo-se em mais postos de trabalho altamente qualificados”.

Leia também | “Portugal tem a melhor fonte de talento da Europa e é por isso que investimos aqui”

A abertura de um novo centro técnico implica ainda a mudança de Graham-Cumming para Lisboa. “Como parte da abertura do novo escritório, vou mudar-me para Lisboa este verão, tal como um pequeno número de colaboradores técnicos de outros escritórios da Cloudflare”, é possível ler na nota.

Ao Jornal de Negócios, o CTO da empresa indica que no final de 2020, espera ter uma estrutura na ordem dos “três dígitos de trabalhadores”. O recrutamento para o novo centro já arrancou, com as vagas disponíveis no site da empresa. Neste momento, estão em aberto dez vagas, ligadas às áreas de apoio a clientes, engenharia, segurança, operações técnicas e estratégia de produto.

Na região EMEA (Europa, Médio Oriente e África) a Cloudflare já conta com 230 trabalhadores. O novo centro em Lisboa junta-se à estrutura de Londres e Munique, a nível europeu. Noutros continentes, a empresa conta também com escritórios em Singapura, Pequim, Sidney, entre outros. A Cloudflare conta com data centers em mais de 180 cidades em todo o mundo.

Nota: Notícia atualizada às 12h25, para incluir declarações de Matthew Price e Luís Castro Henriques.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Cloudflare elege Lisboa para novo centro europeu