Cofina aprova aumento de capital até 85 milhões para comprar TVI

Aumento de capital foi aprovado com 99,48% dos votos. Na assembleia geral de acionistas estiveram presentes 74,66% do capital.

Os acionistas da Cofina aprovaram o aumento de capital do grupo dono do Correio da Manhã e CMTV para concretizar a compra do grupo Media Capital. A assembleia geral decorreu no mesmo dia em que, em Madrid, a Prisa aprovou a venda da Vertix, veículo que detém mais de 90%, do grupo dono da TVI.

O aumento de capital até 85 milhões de euros é um dos mecanismos usado pelo grupo liderado por Paulo Fernandes para financiar o negócio com um 'enterprise value' de 205 milhões de euros, menos 50 milhões do que inicialmente previsto. O grupo dono da CMTV garantiu ainda um empréstimo de mais de 200 milhões para financiar o negócio.

O aumento de capital irá elevar de 25,6 milhões para 110,6 milhões o capital social do grupo de media e será feito através de uma "Oferta Pública de Subscrição com subscrição reservada a acionistas no exercício do direito de preferência e demais investidores que adquiram direitos de subscrição, através da emissão de 188.888.889 (cento e oitenta e oito milhões, oitocentos e oitenta e oito mil, oitocentas e oitenta e nove) novas ações ordinárias, escriturais e nominativas, sem valor nominal", esclarece o grupo em comunicado.

"Após a subscrição integral do aumento de capital, o número resultante de ações ordinárias da Cofina passará a ser de 291.454.725 (duzentos e noventa e um milhões, quatrocentos e cinquenta e quatro mil, setecentas e vinte e cinco)", informa a Cofina.

"O preço de subscrição foi fixado em 0,45 euros (quarenta e cinco cêntimos) por cada ação, que corresponde ao respetivo valor de emissão, não havendo lugar a ágio. O preço de subscrição representa um desconto de aproximadamente 2,52% face ao preço teórico ajustado exrights (theoretical ex-rights price) calculado com base na cotação de fecho das ações da Cofina no Euronext Lisbon em 29 de janeiro de 2020", refere o grupo liderado por Paulo Fernandes.

"A Cofina pretende dar início a esta Oferta no mais breve prazo possível, após aprovação do respetivo prospeto pela CMVM e a publicação deste e do aviso para o exercício de direitos de subscrição, nos termos legais".

Com o aumento de capital deverão entrar novos acionistas no grupo da Sábado e do Jornal de Negócios. O empresário Mário Ferreira (dono da DouroAzul) e o banco galego Abanca (já acionista da Media Capital) são os nomes referidos no mercado.

Para concluir a compra da TVI falta realizar a OPA sobre o capital em Bolsa que não é detido pela Vertix, aguardando-se a indicação do preço por ação determinado pelo mediador independente nomeado pela CMVM.

Um negócio que a Cofina estima estar concluído até final de março. Com a agregação dos ativos da Media Capital - TVI, TVI 24, produtora Plural, portal IOL e rádios como a Comercial ou M80 - e da Cofina (Correio da Manhã, CMTV, Sábado, Jornal de Negócios ou Record) o grupo de Paulo Fernandes estima sinergias de 46 milhões.

(notícia atualizada com mais detalhes sobre os termos do aumento de capital e preço da subscrição)

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de