media

Cofina anuncia aumento de capital de 85 milhões de euros

Paulo Fernandes, Cofina.
(Carlos Manuel Martins/Global Imagens)
Paulo Fernandes, Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

A Cofina revelou que "se encontra perspetivada a realização de um aumento do capital social" de 85 milhões de euros para financiar a compra da TVI.

A Cofina, grupo de comunicação social que detém jornais como o Correio da Manhã, Jornal de Negócios e Record, confirmou ao mercado que pretende avançar com um aumento de capital, no valor de 85 milhões de euros, para financiar a operação de compra da Media Capital, que detém nomeadamente a TVI. O aumento de capital só irá avançar se a compra da TVI obtiver luz verde dos reguladores.

A Cofina “no âmbito da operação de aquisição da participação detida pela Promotora de Informaciones, S.A. (“Prisa”), no Grupo Media Capital, SGPS, S.A. (“Media Capital) e da oferta pública de aquisição das ações da Media Capital anunciada preliminarmente em 21 de setembro de 2019, que se encontra perspetivada a realização de um aumento do capital social da Cofina, num montante que atualmente se estima de € 85.000.000,00 (oitenta e cinco milhões de euros), destinado ao financiamento parcial da referida operação de aquisição”, indica a empresa em comunicado enviado à CMVM.

A companhia liderada por Paulo Fernandes acrescenta ainda – no comunicado enviado ao regulador do mercado de capitais – que vai divulgar “ao mercado as informações legalmente exigidas relacionadas com a aprovação pelos órgãos competentes e a realização do referido aumento de capital, quando se encontrarem definidos os termos e condições em que será proposto à assembleia geral”.

O aumento de capital só irá avançar após OK dos reguladores – Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e Autoridade da Concorrência (AdC) – ao negócio. Os atuais acionistas da Cofina deverão ficar com a maioria do capital do grupo dono do Correio da Manhã, estando prevista a entrada de novos acionistas. Mário Ferreira, o dono do DouroAzul, e o banco galego Abanca são apontados na imprensa como potenciais investidores, mas fontes ouvidas pelo Dinheiro Vivo admitem que possam entrar novos investidores no grupo por via dessa operação.

A Cofina, depois de terem já surgido várias notícias, confirmou no dia 21 de setembro que vai avançar com uma OPA sobre a Media Capital SGPSD, depois de “no dia 20 de setembro de 2019, de um contrato de compra e venda de ações com a Promotora de Informaciones, S.A. (“PRISA”), para a aquisição de ações representativas de 100% do capital social da Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), que é titular de ações representativas de 94,69% (noventa e quatro vírgula sessenta e nove por cento) dos direitos de voto do Grupo Média Capital, SGPS, S.A. ”.

O documento, divulgado nesse dia, era um “anúncio preliminar de lançamento de oferta publica geral e voluntária de aquisição de ações representativas do capital social do grupo media capital, SGPS, S.A.” A informação enviada à CMVM mostra que a dona do Correio da Manhã propõe pagar 2,3336 euros por cada ação da dona da TVI, que não é controlada pela Prisa, e ainda 2,1322 euros pelas mais de 80 milhões de ações que, estas sim, pertencem ao grupo espanhol. A oferta da Cofina chega a um valor de 180 milhões de euros, com a Cofina a assumir ainda a dívida da dona da TVI, na ordem dos 75 milhões. Um total de 255 milhões pela operação.

O prazo para a Cofina requerer à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) o registo da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital termina no dia 11 de outubro. O regulador de mercado já determinou que vai nomear um auditor para determinar se o valor oferecido pelo capital remanescente é o justo.

*Com Ana Marcela

(Notícia atualizada às 18:49)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Cofina anuncia aumento de capital de 85 milhões de euros