Empresas

Colgate-Palmolive paralisa fábrica na Venezuela por falta de matéria-prima

A Colgate-Palmolive vai paralisar a produção de produtos de cuidado oral na Venezuela devido à falta de matéria-prima.

A empresa norte-americana Colgate-Palmolive vai paralisar a produção de produtos de cuidado oral na Venezuela devido à falta de matéria-prima importada para produzir pastas de dentes e elixires, anunciou hoje o sindicato da empresa. “Mais de 100 mil unidades de pasta dentífrica por mês vão deixar de fabricar-se devido à falta de ‘sabores’ e outros produtos que vêm dos Estados Unidos”, disse aos jornalistas o sindicalista Amilcar Olivar, precisando que a partir do fim de semana a fábrica, em Carabobo (centro do país), paralisará a produção.

Segundo o sindicalista “são necessárias entre 1.200 e 1.400 toneladas de matéria-prima para garantir a operacionalidade das máquinas” mas o Centro de Comércio Exterior (Cencoex) da Venezuela não disponibilizou dólares para o pagamento de fornecedores. Em causa está o sistema de controlo cambial que desde 2013 vigora no país e impede a livre obtenção local de moeda estrangeira, obrigando os empresários a acudir ao Governo para obterem a autorização necessária para aceder a dólares para efetuar as importações. A situação, segundo explicou, dificultará ainda mais o acesso dos venezuelanos a pastas dentárias e elixires, cuja produção local desde há mais de um ano ocorre de maneira limitada, obrigando as pessoas a fazer longas filas para poder comprar alguns daqueles produtos.

A Colgate-Palmolive produz atualmente 90% dos produtos orais que se vendem no mercado venezuelano e o encerramento, segundo explicou, afetará 227 trabalhadores da fábrica, alguns dos quais foram remetidos para casa, para férias obrigatórias, enquanto outros encontram-se em “suspensão” laboral.

Em finais de janeiro último a Colgate-Palmolive paralisou a produção de sabonetes Protex, devido ao esgotamento do ‘stock’ de matéria-prima, proveniente do Brasil e da Colômbia, uma medida que afetou 81 trabalhadores que foram suspensos. Segundo Francisco Muñoz, gerente geral da empresa, além das dificuldades para aceder a dólares para as importações, o Governo venezuelano reduziu 59,68% do valor global em moeda estrangeira a que a empresa estava autorizada a aceder para pagamento a fornecedores internacionais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Colgate-Palmolive paralisa fábrica na Venezuela por falta de matéria-prima