transportes

Comboios alugados a Espanha têm quase 40 anos

CP não revela onde e quando foi feita a última vistoria à composição que perdeu o motor quando fazia a ligação Porto/Valença, em Afife. Fotografia: Rui Manuel Fonseca/Global Imagens
CP não revela onde e quando foi feita a última vistoria à composição que perdeu o motor quando fazia a ligação Porto/Valença, em Afife. Fotografia: Rui Manuel Fonseca/Global Imagens

Manutenção das unidades espanholas é feita pelos dois países. Eixo Atlântico diz ser “vergonhoso” o que a Renfe põe em Portugal

Os comboios regionais alugados a Espanha, idênticos ao que perdeu o motor anteontem à noite na linha do Minho, já têm perto de 40 anos, embora só operem em Portugal desde 2011. A congénere espanhola da CP, a Renfe, adquiriu as composições a diesel, da série 592, entre 1981 e 1984.

Embora a manutenção das unidades em circulação no país seja feita pela EMEF-Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, no caso das 20 automotoras espanholas que operam nas linhas do Minho, Douro e Oeste, esse serviço é assegurado “pela CP e pela Renfe, dependendo do tipo de intervenção”, explicou fonte oficial da CP ao Dinheiro Vivo.

“Algumas intervenções são realizadas em Espanha e outras em Portugal”, especificou a mesma fonte, sem esclarecer onde e quando foi feita a última vistoria à composição que se avariou em Afife, na ligação Porto/Valença.

Leia mais: CP recebe menos 10 milhões do que exigia para cumprir serviço público

Sobre o incidente, o ministro do Planeamento e Infraestruturas apenas sublinhou tratar-se de um problema “de natureza técnica”, destacando que “todo o material circulante em utilização na CP é objeto de verificações rigorosas”. Pedro Marques acrescentou, citado pela Lusa, que “a taxa de regularidade em matéria de circulação se situa nos 99%”.

A unidade onde ocorreu a fratura do veio de transmissão entre o motor e a caixa de transmissão foi rebocada para as oficinas de Contumil, no Porto, onde equipas da CP e da EMEF irão analisar e corrigir o problema, avançou a CP.

Automotoras 592

A situação insólita mereceu um comentário do Eixo Atlântico, onde estão representadas autarquias do Norte de Portugal e da Galiza. O secretário-geral, Francisco Sánchez, citado pela Cadena Ser, considerou “vergonhoso” o material que a Renfe aluga a Portugal e que não se pode continuar a usar máquinas com mais de 35 anos, quando já praticamente não se usam em Espanha.

No plano ferroviário nacional, a obra mais adiantada até é a modernização da linha do Minho, onde estão a ser investidos 86,2 milhões de euros, estimando-se que a obra, apesar do atraso, termine este ano.

Folha limpa
Certo é que o histórico de acidentes com as composições espanholas não tem diretamente a ver com o equipamento. O descarrilamento do comboio internacional Celta, da série 592, a 9 de setembro de 2016, junto à estação de Porriño, foi atribuído a erro humano.

Já a 20 de março do ano passado, o comboio que descarrilou na linha do Douro, junto a Sabrosa, terá chocado contra pedras que caíram sobre os carris.

O que anda e o que virá
Por agora, circulam 20 unidades espanholas em Portugal, mas vão chegar mais quatro, a primeira das quais estava previsto ser entregue no início deste ano.

Cada unidade já em circulação custa ao país 350 mil euros, anuais, devendo as novas ficar mais baratas, por 315 mil euros. A despesa total, por ano, andará próximo dos 8,3 milhões de euros, embora o pagamento seja faseado.

Vai seguir-se o aluguer de comboios elétricos a Espanha, de alta velocidade, enquanto não chegam os 22 novos comboios regionais que o país vai comprar e cujo concurso para receber as propostas de fornecimento, agendado para amanhã, dia 3, foi adiado para o próximo dia 12.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(REUTERS/Kevin Coombs)

Acordo para o brexit com pouco impacto para Portugal

London Mayor Boris Johnson speaks at a Vote Leave rally in Newcastle, Britain April 16, 2016. REUTERS/Andrew Yates

Deputados tentam adiar Brexit. Boris Johnson não quer esperar mais

Emmanuel Macron, Presidente de França, com Angela Merkel, Chanceler da Alemanha. EPA/OMER MESSINGER

França: Novo adiamento do Brexit não interessa a ninguém

Outros conteúdos GMG
Comboios alugados a Espanha têm quase 40 anos