Energia

Costa admite “boas notícias” nos combustíveis

António Costa e Mário Centeno Foto: REUTERS/Rafael Marchante
António Costa e Mário Centeno Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Governo aumentou ISP, mas disse que o iria rever de três em três meses e que ele desceria se os preços do combustíveis subissem.

A gasolina e o gasóleo devem mesmo baixar esta quinta-feira, por via da revisão do Imposto Sobre Produtos Petrolíferos (ISP) que está prevista para este dia. Em entrevista à SIC, o primeiro-ministro, António Costa, não disse diretamente que ia rever o imposto em baixa, mas comentou que o ministro das Finanças iria dar “boas notícias”.

“É muito difícil ser ministro das Finanças, por isso vamos deixar para o ministro das Finanças o anúncio de boas notícias”, disse depois de ter recusado responder diretamente à pergunta do jornalista sobre se os preços iriam descer ou não esta quinta-feira.

É precisamente para este dia que está previsto o Governo rever o aumento do ISP, dado que já passaram três meses desde que entrou em vigor. O compromisso era analisá-lo trimestralmente e baixá-lo se os preços dos combustíveis subissem.

Ora, desde o início do ano, os preços já subiram 11 a 12 cêntimos e, segundo as contas do Governo, por cada aumento de 4,5 cêntimos que se verificasse no litro de gasolina e gasóleo, haveria margem para baixar o imposto um cêntimo.

Ou seja, a verificar-se uma descida no preço dos combustíveis, esta deverá ser de cerca de dois cêntimos.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República, em Lisboa, 10 de maio de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Joe Berardo: “Tenho servido de bode expiatório”

Carlos Costa. Foto: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

BdP vai divulgar relatório dos grandes devedores mas incompleto

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Centeno assegura clarificação das dúvidas do BCE

Outros conteúdos GMG
Costa admite “boas notícias” nos combustíveis