Imobiliário

Comporta. Paula Amorim e Claude Berda são os novos donos

A Comporta é um dos destinos turísticos menos explorados no país. Fotografia: D.R.
A Comporta é um dos destinos turísticos menos explorados no país. Fotografia: D.R.

O francês Claude Berda e Paula Amorim vão pagar 158 milhões de euros pelos ativos imobiliários

A proposta do consórcio de Paula Amorim e Claude Berda para a compra da Herdade da Comporta foi aprovada em assembleia. Depois de um processo que levantou alguma polémica e controvérsia, que implicou o lançamento de um novo concurso para a venda da antiga propriedade da família Espírito Santo, a Herdade da Comporta tem agora um novo destino e dono.

O consórcio Amorim Luxury (de Paula Amorim) e a Vanguard Properties (de Claude Berda) ofereceram pelos ativos imobiliários 158 milhões de euros, um pouco mais que o valor que estiveram dispostos a pagar aquando da primeira intenção de compra (156,4 milhões).

A assembleia de participantes no fundo imobiliário fechado Herdade da Comporta decorreu esta manhã, em Lisboa.

A Vanguard ficará responsável por 88% dos ativos da Herdade da Comporta e os restantes 12% pertencem à empresária Paula Amorim.

Segundo informação disponibilizada pelos investidores, a Herdade da Comporta terá uma “adequada estrutura de hotéis, vilas e condomínios” e terá em conta “um vasto número de iniciativas de apoio às comunidades, centros de arte, cultura e design, e wellness center de marca premiada, para atividades de relaxamento e detox“.

O projeto irá contar com academias desportivas, nomeadamente golfe, ténis e padel, e comércio e restauração. Um museu e uma igreja, assinados por um conceituado arquiteto, consta também dos objetivos para o local.

O anterior concurso foi também disputado pelo consórcio constituído pelo inglês Mark Holyoake, a Portugália e a Sabina, que ofereceram 155,8 milhões de euros, e por Louis-Albert de Broglie e os seus parceiros Global Asset Capital e Bonmont, com uma oferta é de 159 milhões.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Fotografia: REUTERS/Eloy Alonso

Santander anuncia fecho de 140 balcões no Reino Unido

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Comporta. Paula Amorim e Claude Berda são os novos donos