Turismo

Comporta receberá investimento superior a mil milhões nos próximos 10 anos

O francês Claude Berda e Paula Amorim são os novos proprietários da Comporta. Fotografia: Arquivo/Global Imagens
O francês Claude Berda e Paula Amorim são os novos proprietários da Comporta. Fotografia: Arquivo/Global Imagens

Claude Berda e Paula Amorim assinam a escritura de compra e venda dos ativos imobiliários do fundo Herdade da Comporta a 4 de abril de 2019

Os milionários Claude Berda e Paula Amorim, os novos proprietários dos ativos imobiliários do fundo Herdade da Comporta, têm um plano de investimento para a propriedade que ultrapassa os mil milhões de euros. Para já, os dois empresários viram a sua proposta de compra aprovada por 84% dos 90% de capital presente na assembleia de participantes do fundo, que ontem se realizou em Lisboa. Claude Berda e Paula Amorim ofereceram 158 milhões de euros pelos terrenos. A escritura de venda está agendada para 4 de abril do próximo ano, mas é provável que os intervenientes consigam antecipar essa data.

A primeira intervenção na Comporta será ao nível das infraestruturas, adiantou ao Dinheiro Vivo Cardoso Botelho, representante de Claude Berda em Portugal. “O programa inicial prevê a reparação e construção de várias infraestruturas – estações de tratamentos de água e de efluentes, arruamentos -, e o desenvolvimento de 52 moradias turísticas”, disse. Esta primeira fase, deverá implicar um investimento de 300 milhões. Em simultâneo, Paula Amorim (filha do falecido empresário Américo Amorim) deverá arrancar com o desenvolvimento de uma unidade hoteleira.

Como frisou Cardoso Botelho, a Comporta é “um projeto que se irá prolongar por 10 a 15 anos” e cujo “investimento ultrapassará o bilião de euros”. O responsável sublinhou que será desenvolvimento com base em parcerias, mas com a preocupação “em olhar para o detalhe, para conceitos personalizados, que integrem bem-estar. Queremos um projeto ímpar”.

Qualidade e responsabilidade
A Comporta será desenvolvida tendo em conta o seu potencial “enquanto destino residencial e de turismo de qualidade” e com “sentido de responsabilidade porque é nossa firme intenção garantir esse desenvolvimento respeitando a comunidade local, a natureza e a tradição”, disse Paula Amorim num comunicado enviado às redações. A empresária, que responde por 12% do projeto (os outros 88% são de Claude Berda), afirmou pretender um “modelo de desenvolvimento que garanta a sustentabilidade da região, crie emprego (…) investimento de qualidade e qualifique os espaços públicos”.

Segundo informação disponibilizada pelos investidores, a Herdade da Comporta terá uma “adequada estrutura de hotéis, vilas e condomínios” e promoverá “um vasto número de iniciativas de apoio às comunidades, centros de arte, cultura e design“. Um wellness center de uma marca premiada, com atividades de relaxamento e detox, faz parte do projeto, que também contará com academias desportivas, nomeadamente golfe, ténis e padel, e áreas de comércio e restauração. Um museu e uma igreja, assinados por um conceituado arquiteto, consta também dos objetivos dos promotores para o local.

Nuvens dispersas
O consórcio Amorim Luxury e Vanguard Properties assume agora o destino da Herdade da Comporta, depois de um malogrado concurso (anulado em julho) que ficou marcado por controvérsias e polémicas. A oferta pelos ativos subiu de 156,4 milhões para 158 milhões. O anterior concurso foi também disputado pelo agrupamento constituído pelo inglês Mark Holyoake, a Portugália e a Sabina, que ofereceram 155,8 milhões de euros, e por Louis-Albert de Broglie e os seus parceiros Global Asset Capital e Bonmont, com uma oferta é de 159 milhões.

O Ministério Público deu aval favorável à venda ao consórcio de Claude Berda e Paula Amorim, considerando que o processo cumpriu as regras de isenção e transparência. O Tribunal Central de Instrução Criminal também deu parecer favorável. Já a Portugália estuda a instauração de uma ação judicial, por considerar que a rejeição da proposta que apresentou ao anterior concurso pode ser considerada nula.

O fundo imobiliário Herdade da Comporta, gerido pela Gesfimo, é detido maioritariamente pela insolvente Rio Forte, que detém participações de 59,09%, e pelo Novo Banco, com 15,46%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Arrendatários vão poder realizar obras e pedir o reembolso

TIAGO PETINGA/LUSA

EDP nega ter indicado Manuel Pinho para curso nos EUA

luzes, lâmpadas, iluminação

Fatura da eletricidade baixa em 2019 “para todos”, garante o ministro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Comporta receberá investimento superior a mil milhões nos próximos 10 anos