Turismo

Comporta. Só o consórcio Amorim/Berda apresentou proposta

O furo da Herdade da Comporta será decidido dentro de dias.  Fotografia: D.R.
O furo da Herdade da Comporta será decidido dentro de dias. Fotografia: D.R.

A proposta de Paula Amorim e Claude Berda será analisada, em outubro, em assembleia-geral. O consórcio defende um projeto sustentável

A empresária Paula Amorim e o milionário francês Claude Berda foram os únicos investidores a apresentar proposta para a compra dos ativos da Herdade da Comporta. A data para a entrega de propostas terminou às 17 horas de hoje e, apesar de rumores da existência de mais interessados, não apareceram outras ofertas.

A Gesfimo – sociedade que gere o fundo imobiliário que detém os ativos da Comporta – até segunda-feira decide se aceita esta proposta. Se viabilizar a oferta do consórcio Amorim/Berda, tem de agendar uma assembleia-geral nos próximos 30 dias para ser analisada e votada a proposta pelos detentores de participações no fundo. Recorde-se que os principais participantes do fundo são a insolvente Rioforte, com 59%, e Novo Banco, que possui mais de 15%.

O valor da oferta Amorim/Berda não foi divulgado, mas José Cardoso Botelho – representante de Claude Berda – garantiu ser uma “boa” oferta.

O projeto do consórcio Amorim/Berda tem como pilar a sustentabilidade. O consórcio pretende desenvolver um empreendimento assente numa estratégia de ” proteção dos oceanos, ecologia do espaço construído, criação de oportunidades para as pessoas e vivência ímpar”, apurou o Dinheiro Vivo.

O conceito a desenvolver implicará a criação de “uma equipa dedicada à gestão inteligente” da água e “à promoção da economia do mar”. Neste âmbito, o projeto Comporta Sustainable Living quer “minimizar o consumo de água potável, preservar as zonas costeiras e promover a economia do mar”.

A proposta da responsabilidade do consórcio Amorim/Berda defende uma intervenção na herdade com respeito pelas “melhores práticas de construção e com total respeito pela integração com o local”. No eixo comunidade, a política será “reforçar a vertente social e económica, valorizando a população e tradições locais”.

(Notícia atualizada às 19h20 com mais detalhes sobre a Gesfimo)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno, fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

IRS: Escalões vão absorver parte do aumento salarial de 2019

António Costa, que cumprimenta João Oliveira, com Jerónimo de Sousa e Catarina Martins© Lusa

Quanto valem as medidas negociadas à esquerda?

Outros conteúdos GMG
Comporta. Só o consórcio Amorim/Berda apresentou proposta