Prémio Inovação NOS

30 finalistas do Prémio Inovação NOS. Conheça as ideias por trás dos projetos

Prémios NOS Inovação 2016- Tiago Cortez, um dos fundadores da Go Wifi.
Tiago Cortez
(Gerardo Santos / Global Imagens)
Prémios NOS Inovação 2016- Tiago Cortez, um dos fundadores da Go Wifi. Tiago Cortez (Gerardo Santos / Global Imagens)

Da tecnologia à alimentação, da banca ao turismo, saiba quais são os projetos mais inovadores dos 30 finalistas do Prémio Inovação NOS.

Os vencedores do Prémio Inovação NOS vão ser anunciados esta quinta-feira, em Lisboa. Serão escolhidos três vencedores em cada uma das categorias: Grandes Empresas, PMEs e startups. O favorito é o projeto mais inovador, com um forte impacto económico e uma boa visão de mercado. Os finalistas da terceira edição comprovam que Portugal quer inovar, e essa resposta está a vir principalmente das startups.

Da tecnologia à alimentação, da banca ao turismo, as ideias para inovar surgem dos mais variados setores. Conheça as ideias de inovação que estão por detrás dos 30 finalistas do Prémio Inovação NOS 2017.

Grandes Empresas

No top 10 das Grandes Empresas, a gigante tecnológica Glintt desenvolveu a MedOn para otimizar a comunicação entre os profissionais de saúde e os doentes, e evitar a ‘polimedicação’, por exemplo. Na plataforma online, o médico pode registar e consultar toda a ficha clínica do doente. A empresa candidatou-se ainda com o projeto WiseWard, que visa melhorar os processos de gestão interna nos hospitais através de algoritmos que vão dando sugestões.

Também na saúde, o Centro Hospitalar de Leiria, E.P.E. criou um programa de reabilitação ao domicílio através do projeto Telerreabilitação. O doente torna-se mais autónomo ao mesmo tempo que o profissional de saúde pode ter acesso a toda a informação sobre o tratamento em curso.

Na comunicação, a Choice promete reduzir a pegada ecológica com o projeto Pitch Ecokart, que se concretiza no espaço de partilha de ideias sustentáveis ‘eConversas’.

O Banco BPI inova com a aplicação móvel BPIGoNow, uma versão melhorada que permite ligar os gestores aos seus clientes de forma mais eficiente. A Liga Portuguesa de Futebol Profissional também melhora a comunicação entre os agentes desportivos e os jogadores através da plataforma e-Liga, que disponibiliza todos os dados sobre os jogo 60 minutos antes das partidas.

O Instituto de Informática, I.P. concorre com o projeto do novo simulador de pensões da Segurança Social, o SSD Segurança Social Direta, disponível no portal da Segurança Social Direta – SSD.

A plataforma da EDP Comercial, a S2C 2.0 (Save to Compete), está na corrida da inovação com o modelo de negócio que vai fazer com que os investimentos em compra de energia possam ser pagos com as poupanças geradas.

A 4Donations, da Noesis Portugal, maximiza a operação das instituições de angariação de fundos. Nesta plataforma é possível reunir a informação sobre quem costuma fazer donativos, traçar um perfil, e fazer campanhas mais direcionadas para um determinado público.

Com a introdução da videochamada, o Banco Atlântico Europa, já não precisa de se deslocar ao banco para abrir uma conta pessoal e confirmar a sua identidade.

Pequenas e médias empresas (PMEs)

As pequenas e médias empresas (PMEs) continuam a representar a inovação em Portugal. A Watgrid promete revolucionar o setor vinícola com a WineGrid, uma plataforma onde fica armazenada toda a informação sobre a produção do vinho através de sensores colocados dentro dos barris. O Hexastep quer controlar os pulverizadores de fertilizantes e pesticidas nos tratores, principalmente no setor vinícola, com o programa CARTS (Canopy Adjusted Realtime Spraying).

Wavesys é a solução da tecnológica de comunicações Wavecom, Soluções Rádio, que quer tornar mais inteligente a conectividade a longas distancias, através de comunicação via rádio. Esta é uma inovação para as smart cities e para o setor da mobilidade, a pensar no utilizadores. A Evalyze, da PME Closer, criou uma plataforma que recorre a algoritmos de Inteligência Artificial para automatizar e otimizar a distribuição das atividades nas empresas.

A tecnologia da BIOSubstracpot é uma aposta da empresa Horto da Cidade, para a produção de plantas fora do solo, através de um processo 100% natural e biodegradável. A empresa ‘Óculos para Todos’ não foge muito ao próprio nome e aposta na produção de óculos de qualidade a um preço acessível.

O Bolinhas 2.0 quer facilitar a possibilidade de negócio para micro e pequenas empresas, acabando com comissões de vendas ou taxas elevadas e aproximando-as do público-alvo com recurso à tecnologia.

No vestuário, a Barcelcom Têxteis criou uma peúga com propriedades terapêuticas, que funciona através de eletroestimulação muscular, produzida com fibras condutoras flexíveis. A pensar no bem-estar através do vestuário encontramos a tecnologia da Cachegrip, da Clever Action. Um cachecol “com nebulizador médico incorporado, para tratar e prevenir doenças, sintomas ou distúrbios do foro respiratório, em regime ambulatório, mantendo os pacientes permanentemente aliviados da sintomatologia agressiva associada”.

A inovação chega até à religião. A PeakIt ambiciona melhorar a comunicação dentro da paróquia, através da plataforma Kyrios ChMS.

Startups

Nesta edição, a inovação das startups quer ter impacto no ambiente, na agricultura e na indústria. Como é o caso do projeto de inovação da Open Grow, Lda. O GroLab disponibiliza tecnologia de nível industrial acessível para quem quer controlar os seus cultivos, dentro ou fora de casa. A Sun Concept produz catamarãs movidos a energia solar, através de painéis fotovoltaicos – o Sun Concept Catamaran 12.0.

A EcoXperience surgiu na Universidade de Coimbra, tem a ideia patenteada e transforma óleo alimentar em detergentes 100% biodegradáveis com recurso a enzimas. Ruben Verdadeiro quer utilizar a cortiça como antiderrapante e por isso criou o Cork Traction Pad, o primeiro exclusivamente feito de cortiça e que é uma alternativa sustentável.

A Shark Coders acredita que as crianças já nascem com a tecnologia e criou a primeira rede de escolas portuguesas de programação jogos e robóticas para crianças e adolescentes, em 2017. A Heptasense, por outro lado, promete ajudar a área da segurança, através de câmaras de segurança reforçadas que recorrem à tecnologia da inteligência artificial e permitem detetar qualquer comportamento estranho.

Na área da restauração também se pode inovar. Com a aplicação PsstMenu, da Mesh Porto, é possível estar em contacto direto com o restaurante evitar longas esperas por uma refeição. Por outro lado, com a aplicação Misk é possível saber qual o melhor restaurante da cidade, através da classificação e das recomendações disponíveis gratuitamente na plataforma.

A ISSHO Technology ajuda os fabricantes de mobiliário a desenhar os produtos, em imagens 3D, e cria automaticamente um orçamento para os produtos. O myBuild In também foi feito a pensar na construção, numa plataforma fácil de utilizar que permite simular projetos e fazer orçamentos.

Veja a lista completa

 

SUP 23 junho - 12-01

 

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Finanças cortam 11% na verba para descongelar carreiras em 2019

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte REUTERS/Alessandro Bianchi

Itália não cede a Bruxelas e mantém orçamento

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

Vieira da Silva admite que 600 euros são “ponto de partida”

Outros conteúdos GMG
30 finalistas do Prémio Inovação NOS. Conheça as ideias por trás dos projetos