comporta

Consórcio Oakvest/Portugália desiste da Herdade Comporta

Herdade da Comporta

O consórcio da Oakvest/Portugália quer manter o direito de contestar judicialmente o processo de venda da Herdade da Comporta.

O consórcio formado pela Oakvest, Portugália e Sabina Estates decidiu não apresentar uma nova proposta para a compra da Herdade da Comporta e manter o direito de contestar o processo de venda.

A venda da Herdade da Comporta voltou à estaca zero depois de participantes do Fundo Especial de Investimento Imobiliário, que detém a propriedade do ativo, terem chumbado a escolha da proposta do consórcio da Oakvest por parte da Gesfimo, gestora do fundo.

Para trás ficaram as propostas apresentadas pela Vanguard Properties, com a empresária Paula Amorim, e a do aristocrata francês Loius-Albert de Broglie.

A Gesfimo decidiu em agosto avançar com um novo processo de venda da Herdade da Comporta mas, desta vez, os investidores interessados terão de aceitar a decisão final da sociedade gestora do Fundo que detém a propriedade e renunciar a qualquer contestação, reclamação ou impugnação.

Para o novo processo, a gestora do fundo, a Gesfimo, contratou a consultora Deloitte para assessorar a venda

“O consórcio vencedor não está disponível para entrar num novo processo, do qual não conhece o caderno de encargos e que não oferece o mínimo de garantia de que nele não venha a suceder um mesmo desfecho do concurso anterior com acrescidos e significativos custos para este consórcio”, afirma o consórcio da Oakvest em comunicado divulgado esta quarta-feira.

Adianta que o consórcio “informou a Gesfimo que não abdica dos seus direitos legais”.

Afirma que, “até à presente data, as regras do dito novo concurso de venda dos ativos” do fundo “não foram comunicadas a este consórcio, apesar dos esclarecimentos pedidos junto” da Gesfimo.

A Herdade da Comporta, situada nos concelhos de Grândola e Alcácer do Sal, e era um dos ativos e símbolos da família Espírito Santo, sendo controlada pela holding Rio Forte, do Grupo Espírito Santo, que entrou em situação de insolvência no Luxemburgo após a queda do grupo em 2014.

AG chumbou proposta vencedora

O consórcio da Oakvest lembra que no dia 27 de julho, na assembleia-geral do fundo que detém a Herdade da Comporta, a sua proposta “foi rejeitada pelo voto combinado do Novo Banco e da Rio Forte, a que se juntou mais uma pequena minoria dos demais participantes”.

“Nessa conformidade e em sequência, o Novo Banco e a Rio Forte apresentaram uma recomendação alternativa e sui generis com o objetivo de lançar um novo concurso, em regime de exclusividade, para os mesmos candidatos e ignorando o concurso anterior alegando, para este efeito, que desconheciam o processo de venda, mas simultaneamente realçando o excelente trabalho efetuado pela Gesfimo, o que desde logo revela incoerência e inconsistência da posição assumida”.

“Acresce, aliás, que como se demonstrou na sobredita assembleia, os participantes em causa, nomeadamente a Rio Forte, acompanharam o evoluir do dito processo, sendo totalmente despropositadas as alegações de ignorância e de alheamento com que sustentaram a sua surpreendente tomada de posição”, frisa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Idosos com isenção de mais-valias se aplicarem dinheiro em PPR

Cecília Meireles

CDS também quer IRS atualizado à taxa de inflação

Foto: Filipe Amorim/Global Imagens

“A banca não está a ajudar o Sporting na emissão obrigacionista”

Outros conteúdos GMG
Consórcio Oakvest/Portugália desiste da Herdade Comporta