comporta

Consórcio Oakvest/Portugália desiste da Herdade Comporta

Herdade da Comporta

O consórcio da Oakvest/Portugália quer manter o direito de contestar judicialmente o processo de venda da Herdade da Comporta.

O consórcio formado pela Oakvest, Portugália e Sabina Estates decidiu não apresentar uma nova proposta para a compra da Herdade da Comporta e manter o direito de contestar o processo de venda.

A venda da Herdade da Comporta voltou à estaca zero depois de participantes do Fundo Especial de Investimento Imobiliário, que detém a propriedade do ativo, terem chumbado a escolha da proposta do consórcio da Oakvest por parte da Gesfimo, gestora do fundo.

Para trás ficaram as propostas apresentadas pela Vanguard Properties, com a empresária Paula Amorim, e a do aristocrata francês Loius-Albert de Broglie.

A Gesfimo decidiu em agosto avançar com um novo processo de venda da Herdade da Comporta mas, desta vez, os investidores interessados terão de aceitar a decisão final da sociedade gestora do Fundo que detém a propriedade e renunciar a qualquer contestação, reclamação ou impugnação.

Para o novo processo, a gestora do fundo, a Gesfimo, contratou a consultora Deloitte para assessorar a venda

“O consórcio vencedor não está disponível para entrar num novo processo, do qual não conhece o caderno de encargos e que não oferece o mínimo de garantia de que nele não venha a suceder um mesmo desfecho do concurso anterior com acrescidos e significativos custos para este consórcio”, afirma o consórcio da Oakvest em comunicado divulgado esta quarta-feira.

Adianta que o consórcio “informou a Gesfimo que não abdica dos seus direitos legais”.

Afirma que, “até à presente data, as regras do dito novo concurso de venda dos ativos” do fundo “não foram comunicadas a este consórcio, apesar dos esclarecimentos pedidos junto” da Gesfimo.

A Herdade da Comporta, situada nos concelhos de Grândola e Alcácer do Sal, e era um dos ativos e símbolos da família Espírito Santo, sendo controlada pela holding Rio Forte, do Grupo Espírito Santo, que entrou em situação de insolvência no Luxemburgo após a queda do grupo em 2014.

AG chumbou proposta vencedora

O consórcio da Oakvest lembra que no dia 27 de julho, na assembleia-geral do fundo que detém a Herdade da Comporta, a sua proposta “foi rejeitada pelo voto combinado do Novo Banco e da Rio Forte, a que se juntou mais uma pequena minoria dos demais participantes”.

“Nessa conformidade e em sequência, o Novo Banco e a Rio Forte apresentaram uma recomendação alternativa e sui generis com o objetivo de lançar um novo concurso, em regime de exclusividade, para os mesmos candidatos e ignorando o concurso anterior alegando, para este efeito, que desconheciam o processo de venda, mas simultaneamente realçando o excelente trabalho efetuado pela Gesfimo, o que desde logo revela incoerência e inconsistência da posição assumida”.

“Acresce, aliás, que como se demonstrou na sobredita assembleia, os participantes em causa, nomeadamente a Rio Forte, acompanharam o evoluir do dito processo, sendo totalmente despropositadas as alegações de ignorância e de alheamento com que sustentaram a sua surpreendente tomada de posição”, frisa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Consórcio Oakvest/Portugália desiste da Herdade Comporta