Construção deverá cair três vezes menos em 2014

Construção foi o sector mais atingido

O setor da construção vai voltar a cair em 2014, mas a contração prevista para este ano deverá ser três vezes menor à verificada em 2013. A previsão é feita pela AECOPS, a associação do setor, que assume que 2014 poderá ser “um ponto de inflexão na evolução da atividade do Setor”.

A estimativa da Associação de empresas de construção e obras públicas e serviços aponta para que em 2014, a produção global do setor da construção caia 4,5% (depois da quebra de 15% prevista para 2013).

A dificultar a prestação do setor deverá estar a ainda evolução negativa no segmento residencial (-10%), não-residencial (-5.7%) e engenharia civil (-1%).

De facto, a construção de espaços residencais continua a ser a maior dor de cabeça para o setor, que irá estar este ano num nível equivalente a 20% do da produção do ano 2000. Ou seja, em quatorze anos houve uma destruição de cerca de 4/5 do mercado de habitação.

Ainda a esperar a utilização de cerca de mil milhões em fundos comunitários relativos ao Qren 2007-2013, a AECOPS antecipa que o segmento da Engenharia Civil seja o maior contributo para a estabilização do setor, com uma queda de apenas 1%. Ainda assim, mesmo no segmento não-residencial já assumem uma melhoria face ao ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

Mealhada, 3/7/2020 -  O complexo Turístico Três Pinheiros, um espaço emblemático da Bairrada, apresentou um pedido de insolvência  na sequência das quebras provocadas pela pandemia de Covid-19.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mais insolvências e menos novas empresas em julho

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Construção deverá cair três vezes menos em 2014