Energia

Consumo de energia sobe 5% em novembro por causa do frio

(REUTERS/Mohamad Torokman)
(REUTERS/Mohamad Torokman)

Fontes renováveis permitiram mais de metade da produção de energia, segundo os dados da REN divulgados esta segunda-feira.

O consumo de energia elétrica subiu 5% em novembro, face ao período homólogo, “impulsionado pelas temperaturas mais baixas registadas este mês”, segundo dados da REN — Redes Energéticas Nacionais divulgados esta segunda-feira.

Por outro lado, “com correção de temperatura e número de dias úteis regista-se, ainda assim, uma evolução de 2,9%” no consumo.

No final do mês passado, a variação acumulada anual situava-se em 3,0%, ou 1,7%, tendo em conta as mesmas correções de temperatura e dias úteis.

“A produção renovável abasteceu 52% do consumo nacional e a produção não renovável os restantes 48%”, de acordo com os mesmos dados, que apontam ainda para um saldo de trocas com o estrangeiro “exportador” e que equivale a 6% do consumo nacional.

No período entre janeiro e novembro, a produção eólica foi de 23%, hidroelétrica de 22%, biomassa de 5% e fotovoltaica de 1,6%. No caso da produção não renovável, o gás natural foi responsável por 27% e o carvão por 21%.

“No mercado de gás natural mantém-se a tendência de redução do consumo que se vem verificando ao longo de todo o ano, devido à quebra no segmento de produção de energia elétrica, influenciada pela maior disponibilidade, este ano, de energia renovável”, segundo a REN.

Por isso, em novembro, o consumo de gás natural caiu 8% em termos homólogos “devido à contração de 28% no segmento do mercado elétrico”, revela a empresa.

Já no segmento convencional continua a registar-se crescimento “com uma variação homóloga, este mês, de 5,5%”, segundo os dados da REN.

No final de novembro, o consumo de gás natural registava “uma variação anual de -6,9% face ao verificado no mesmo período do ano anterior, resultado de uma contração de 24% no mercado elétrico e de um crescimento de 4,5% no segmento convencional”, avança a mesma fonte.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo. Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Peso da despesa com funcionários volta a cair para mínimos em 2020

26/10/2019 ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Conselho de Ministros aprovou Orçamento do Estado

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida do peso da dívida

Outros conteúdos GMG
Consumo de energia sobe 5% em novembro por causa do frio