Serviço Postal Universal

Contrato de concessão dos CTT para serviço postal universal termina em 2020

CTT

O contrato dos CTT para o serviço postal universal termina em dezembro de 2020, mas PCP e BE querem renacionalizar a empresa, com este último a propor que tal seja feito ainda durante esta legislatura.

De acordo com a lei que estabelece o regime jurídico aplicável à prestação de serviços postais, em plena concorrência, em Portugal, a empresa CTT – Correios de Portugal é, “em território nacional, a prestadora do serviço postal universal até 31 de dezembro de 2020”.

As condições da prestação do serviço universal “devem ser reavaliadas a cada cinco anos pelo Governo”, depois de ouvida a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) e as organizações representativas dos consumidores, adianta a lei.

O encerramento de lojas dos CTT tem gerado grande contestação no país, sendo que em janeiro último a Anacom indicou que era “expectável” que o número de concelhos sem estações de correio suba para 48 no curto prazo, contra 33 no final de 2018.

Em 10 de janeiro, a Anacom apontou que, no ano passado, os fechos dos balcões dos CTT “levaram a que tenham subido para 33 os concelhos em Portugal que já não têm estações de correios” e que, até 2017, e desde 2013, “apenas existiam dois concelhos sem estações de correios”.

Esta informação reacendeu a discussão no parlamento sobre o tema e levou a que o PCP e o Bloco de Esquerda (BE) avançassem com projetos de lei para a renacionalização dos CTT — empresa que passou a ser totalmente privada em setembro de 2014 –, os quais vão ser debatidos na Assembleia da República em 20 de fevereiro.

De acordo com o projeto lei do BE, que procede à nacionalização dos CTT, a apropriação pública por via de nacionalização do controlo acionista deverá ser feita “nos termos do Regime Jurídico de Apropriação Pública (RJAP), aprovado em anexo pela lei n.º 62-A/2008, de 11 de novembro, no sentido de salvaguardar o interesse público nacional”.

“A lei n.º 62-A/2008, de 11 de novembro, não só procedeu à nacionalização das ações representativas do capital social do Banco Português de Negócios [BPN], como também aprovou o regime jurídico de apropriação pública, por via de nacionalização, que consta de anexo à referida lei”, explica a jurista Sara Estima Martins, sócia da PLMJ, especialista em Direito Europeu e da Concorrência.

Nos termos do artigo 1.º do anexo à referida lei, “podem ser objeto de apropriação pública, por via de nacionalização, no todo ou em parte, participações sociais de pessoas coletivas privadas, quando por motivos excecionais e especialmente fundamentados tal se revele necessário para salvaguardar o interesse público”.

Em 2008, quando foi aplicada, tal aconteceu na sequência do “volume de perdas acumuladas” pelo BPN, “a ausência de liquidez adequada e iminência de uma situação de rutura de pagamentos que ameaçam o interesse dos depositantes e a estabilidade do sistema financeiro”, lê-se no artigo 2.º da lei.

“Apurada a inviabilidade ou inadequação de meio menos restritivo apto a salvaguardar o interesse público, são nacionalizadas todas as ações representativas do capital social do BPN”, acrescenta a lei n.º62-A/2008.

No entanto, o caso dos CTT é diferente. Em causa está a concessão do serviço postal universal, que para o PCP e o BE não está a ser cumprido. É preciso não esquecer que os Correios de Portugal são detentores de uma licença bancária, através do qual operam o Banco CTT.

“A estratégia da administração dos CTT é centrar a atividade nos negócios lucrativos, transformando a rede de distribuição postal dos CTT numa rede de agências do Banco CTT”, lê-se no projeto de lei do BE, que refere que “decidir a nacionalização” dos Correios “até ao final da presente legislatura é, no entendimento do Bloco de Esquerda, o único caminho de, nas condições atuais, ainda ser possível resgatar para o Estado a propriedade e a gestão do serviço público universal dos correios”.

A iniciativa legislativa do BE visa “salvaguardar o interesse público”, prevendo a nacionalização de “todas as ações representativas do capital social dos CTT”, livres “de quaisquer ónus ou encargos, para todos os feitos legais”.

É proposta “uma auditoria independente que identifique e quantifique todas as ações lesivas do serviço e erário público tomadas pela gestão privada dos CTT, bem como as tomadas pelo XIX Governo constitucional no período de preparação do processo de privatização”.

A indemnização dos acionistas “é apurada nos termos estabelecidos no RJAP”, sendo que, “com base na auditoria prevista no artigo anterior, é apurada a indemnização devida ao Estado pelos titulares de participações sociais dos CTT”.

Por sua vez, o PCP considera que “é imperioso e urgente que o Estado adquira a capacidade e a responsabilidade pela gestão da empresa, para garantir a sua viabilidade futura e para que volte a ter condições para prestar um serviço que o país, as populações e os seus trabalhadores exigem”.

Por motivo de “salvaguarda do interesse público”, o projeto de lei do PCP “estabelece o regime de recuperação do controlo público da empresa CTT – Correios de Portugal”, o que “compreende todas as áreas de atividade desenvolvida pela empresa e deve ser realizada de forma a assegurar a continuidade dos serviços prestados, a manutenção dos postos de trabalho e a aplicação a todos os trabalhadores da contratação coletiva vigente, até substituição por outra livremente negociada entre as partes”.

“O Governo fica obrigado a criar as condições necessárias para que a recuperação do controlo público dos CTT seja realizada livre de ónus e encargos, sem prejuízo do direito de regresso quando a ele haja lugar”, refere o PCP.

O Governo “fica obrigado a adotar as medidas transitórias que se revelem necessárias à defesa do interesse público, nomeadamente promovendo a suspensão da negociação de ações dos CTT”, acrescenta o projeto de lei.

“É criada uma unidade de missão, a funcionar junto do Governo, com a responsabilidade de identificar os procedimentos legislativos, administrativos ou outros que se revelem necessários ao cumprimento das disposições da presente lei, dotada dos necessários recursos humanos e técnicos”, lê-se no documento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lear Corporation

Há mais de 800 mil portugueses a trabalhar por turnos

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública. (António Pedro Santos / Lusa)

Governo vai reservar verba para financiar pré-reformas no Estado

Rui

“Se Rui Rio ganhar as eleições do PSD este Governo dura quatro anos”

Outros conteúdos GMG
Contrato de concessão dos CTT para serviço postal universal termina em 2020