Corticeira Amorim

Cortiça apresentada em nova instalação do MAAT em Lisboa

Projeto de Ana Pérez Quiroga, no MAAT. Fotografia: D.R.
Projeto de Ana Pérez Quiroga, no MAAT. Fotografia: D.R.

Cortiça apresentada em nova instalação do MAAT em Lisboa, através de um projeto de Ana Pérez-Quiroga, que apresenta um espaço doméstico habitável

Um projeto artístico da autoria de Ana Pérez-Quiroga, vai estar presente até 19 de outubro, no espaço do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, no projeto APQHome– MAAT, do qual a Corticeira Amorim é uma das empresas parceiras.

O projeto de Ana Pérez-Quiroga, este apresenta-se como o projeto artístico mais extenso da artista, que concebeu um espaço doméstico – composto pela casa e seus objetos – e um jardim, e que conta com a curadoria de Pedro Gadanho, diretor do museu.

Para a APQHome – MAAT, a autora estudou os materiais passíveis de serem integrados, com sucesso. Assim, para o pavimento, a artista selecionou uma gama com visual de cortiça da Wicanders, de tonalidade branca, a marca premium da Amorim Revestimentos.

De acordo com Ana Pérez-Quiroga, o efeito conseguido com a sua aplicação excede mesmo o que eram as suas expectativas iniciais. “Colocadas longitudinalmente, as lâminas estreitas e compridas fazem com que o chão pareça ainda mais longo.” E, acrescenta sentir “uma enorme satisfação por poder usar um material tão natural, orgânico e com um reduzido impacto ambiental, como é o caso da cortiça.”

A utilização de cortiça não se limita ao pavimento da Wicanders. Como alerta a própria artista, são diversas as soluções técnicas da Amorim Cork Composites usadas, com um papel determinante na viabilização do espaço.

Projeto de Ana Pérez Quiroga, no MAAT. Fotografia: D.R.

Projeto de Ana Pérez Quiroga, no MAAT. Fotografia: D.R.

“Os compósitos de cortiça utilizados, que vão desde os granulados de cortiça (utilizados nos canteiros do “jardim” ou para encher os tamboretes) até aos rolos são excecionais não só pelo seu valor formal, mas porque em termos táteis criam uma vontade irresistível de os tocar.”

APQHome é uma obra de “arte total” que pretende envolver o visitante e requer a sua intervenção, sugerindo uma profunda imersão durante períodos de 48 horas, numa performance do quotidiano através de uma experiência total de fusão arte/vida. Além de poderem usufruir do espaço, os visitantes terão ainda possibilidade de adquirir os objetos disponíveis para venda.

Após a inauguração, a artista Ana Pérez-Quiroga continuará a associar-se à instalação, organizando e preparando almoços, nos quais participa, promovendo conversas sobre arte e vida.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Filipe Amorim / Global Imagens)

Estará a produtividade a ser bem medida em Portugal?

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Estará a produtividade a ser bem medida em Portugal?

Ministério das Finanças

Função pública sai das Finanças ao fim de 17 anos

Outros conteúdos GMG
Cortiça apresentada em nova instalação do MAAT em Lisboa