Cortiça

Corticeira Amorim reduz lucros em 29% para 73 milhões de euros

Corticeira Amorim
Corticeira Amorim

A Corticeira Amorim teve lucros de 73 milhões de euros em 2017, menos 29% do que em 2016.

A Corticeira Amorim teve lucros de 73 milhões de euros em 2017, menos 29% do que em 2016, divulgou hoje e empresa em comunicado.

A Corticeira Amorim refere, contudo, que os resultados estão em linha com os do ano anterior se forem excluídos os efeitos da venda da US Floors em 2016, que ajudou aos lucros desse ano.

A empresa indicou ainda que, face aos lucros de 2017, o Conselho de Administração decidiu propor à assembleia-geral de acionistas (de 13 de abril) a distribuição de um dividendo bruto de 0,185 euros por ação.

Quanto às contas da empresa, em 2017, as vendas da Corticeira Amorim subiram 9,4% face a 2016 para 701,6 milhões de euros, um aumento justificado pela “integração das subsidiárias adquiridas em 2017, em especial o Grupo Bourrassé (Bourrassé), cuja atividade passou a ser consolidada a partir de 01 de julho de 2017”.

Já sem o efeito da variação de perímetro, as vendas teriam crescido 5,3%.

Por unidades de negócio, a unidade rolhas cresceu 12,8% para os 477,1 milhões de euros. Foi esta a unidade que consolidou a atividade das sociedades Bourrassé e Sodiliège. Sem isso, o crescimento das vendas teria sido de 6,7%.

Já a unidade de negócio revestimentos aumentou as vendas em 3,8% para 121,5 milhões de euros e as vendas da unidade matérias-primas subiram cerca de 5% para os 156,1 milhões de euros.

As vendas da unidade aglomerados compósitos diminuíram, por sua vez, 1,3% para 98,8 milhões.

Quanto ao EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações), este foi de 133,6 milhões de euros, com a empresa a dizer que a “melhoria da margem bruta compensou o incremento dos custos operacionais, resultante do aumento da produção”.

O rácio EBITDA sobre as vendas foi de 19,0%, em linha com 2016 (19,1%).

O grupo fechou 2017 com o aumento do endividamento para 92,8 milhões de euros, subida que diz ser explicada “essencialmente pela aquisição da Bourrassé e, em menor escala, da Sodiliège, sendo o custo com as aquisições de aproximadamente 31 milhões de euros”.

Além disso, acrescenta, “a inclusão destas novas subsidiárias no perímetro de consolidação implicou também a integração nas contas consolidadas da dívida existente nestas empresas (no valor de 35,4 milhões)”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Sarah Costa/Global Imagens

Tomás Correia, Montepio e BNI Europa. O que está por detrás das buscas

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão (E), fala durante a sua audição perante a Comissão de Orçamento e Finanças, conjunta com a Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de janeiro de 2020. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Governo volta a negociar aumentos de 2020 com funcionários públicos

Greve escola função pública

Último ano da geringonça foi o de maior contestação na função pública

Corticeira Amorim reduz lucros em 29% para 73 milhões de euros