Covid-19. TAP vai cancelar mais 2500 voos

A companhia aérea vai cancelar mais 2500 voos, que se juntam aos mil voos cancelados na semana passada.

A TAP indica que, devido ao surto de Covid-19, "decidiu reduzir a capacidade para os próximos meses em cerca de 2500 voos adicionais", que se juntam às mil ligações canceladas na quinta-feira passada. No total, este ajuste da oferta resulta num cancelamento de 3500 voos, ao longo dos próximos meses.

A companhia aérea indica que estes 3500 voos sejam equivalentes "a 7% dos voos programados em março, 11% em abril e 19% em maio". A TAP justifica este ajuste da oferta de ligações devido à quebra nas reservas de viagens registada ao longo dos últimos dias.

A TAP indica que estes cancelamentos continuam a incidir na operações para cidades nas regiões afetadas pelo Covid-19, especialmente em Itália. No entanto, indica ainda que está ainda contemplada "a redução de oferta em outros mercados europeus que mostram maiores quebras da procura, como Espanha ou França, e incluem ainda alguns voos intercontinentais, dado o modelo de operação da TAP, como companhia de longo curso e conexão."

Na mesma nota, a empresa indica que irá contactar todos os passageiros afetados por estes cancelamentos.

Este domingo, a TAP disponibilizou a alterações de viagens sem pagamento de taxas de alteração para as reservas feitas até ao final de março. A companhia aérea indica que o pedido de alteração da viagem. "A isenção da taxa de alteração está disponível para voos operados pela TAP em todas as rotas, datas e tarifas (exceto tarifa discount), desde que a viagem tenha sido comprada durante o mês de março. Os clientes TAP Miles&Go e Corporate também podem beneficiar desta oferta", é possível ler na nota de imprensa. As alterações podem ser feitas, no mínimo, até 21 dias antes da partida.

Na quinta-feira passada, quando cancelou mil voos, a TAP afirmava que “o volume de reservas para março e abril mostra desde as últimas duas semanas quebras significativas relativamente ao ano passado. Este forte abrandamento da procura faz com que a TAP tenha procedido ao cancelamento imediato de voos com menor procura, reduzindo a capacidade em 4% em março e 6% em abril, o que representa um total de cerca de mil voos”, indica a empresa em comunicado.

Em comunicação enviada à CMVM, onde dá conta do cancelamento do total de 3500 voos, a TAP reforça outra informação que já tinha facultado na semana passada, indicando que "adotou um conjunto de iniciativas que visam controlar e reduzir custos, incluindo a suspensão ou adiamento de investimentos não críticos, renegociação de contratos e prazos de pagamento, corte de despesas acessórias, suspensão de contratações de novos trabalhadores, de progressões e de formações, bem como a implementação de programas de licenças sem vencimento temporárias."

A TAP não é a única companhia aérea a anunciar o cancelamento de voos. No segmento das low-cost, a irlandesa Ryanair anunciou esta segunda-feira o cancelamento de mais voos de e para a Itália, devido ao bloqueio de viagens imposto pelo Governo italiano durante o fim-de-semana.

A companhia aérea Emirates anunciou também alterações à política de alterações e cancelamento de voos. A empresa refere que a nova política, que permite a isenção de taxas de alteração, afetará todos os bilhetes emitidos até 31 de março de 2020.

LEIA AQUI TODA A COBERTURA SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de