transportes

CP: Adiamento de manutenção de comboios regionais vale demissão

CP tem de entregar contrato de serviço público com o Estado até 31 de dezembro. (Leonardo Negrão / Global Imagens)
CP tem de entregar contrato de serviço público com o Estado até 31 de dezembro. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

Diretor de material circulante da empresa manifestou-se contra prolongamento do ciclo de manutenção destes comboios por mais 300 mil quilómetros.

O adiamento da manutenção dos comboios regionais elétricos na CP valeu a demissão do diretor de material circulante da empresa. José Pontes Correia foi exonerado no passado dia 6 de dezembro porque se manifestou contra o prolongamento dos ciclos de manutenção, em 300 mil quilómetros, das UTE 2240 (unidades triplas elétricas).

Segundo o jornal Público desta segunda-feira, Pontes Correia chamou a atenção para os riscos desta medida, que terá sido tomada com base numa vistoria breve ao estado dos rodados das automotoras mas com critérios poucos exigentes. Não foram usados meios de ultrassom na observação neste componentes, não houve recurso a líquidos penetrantes para detetar fissuras e nem sequer a francesa Alstom – que participou na renovação deste material, entre 2003 e 2005 – deu um parecer.

Segundo os manuais, os rodados destas automotoras devem ser sofrer uma reparação profunda ao fim de 1,7 milhões de quilómetros, com uma tolerância de 10%. Ao mesmo jornal, a CP diz que a “a alteração introduzida no ciclo de manutenção da série de automotoras elétricas UTE 2240 foi, evidentemente, alvo de estudo e avaliação prévia, tenso sido também cumpridos todos os requisitos regulamentares determinados para as alterações de natureza técnica ou operacional no sistema ferroviária”.

O IMT – Instituto da Mobilidade e dos Transportes alega que não tem de autorizar ou aprovar os planos de manutenção e respetivas alterações.

Com o adiamento da manutenção das UTE 2240, além de evitar a supressão de comboios, a empresa também dá mais tempo para que a EMEF possa reforçar e formar os novos operários que vão entrar na empresa nos próximos meses, conforme o Dinheiro Vivo escreveu no início de novembro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Fotografia: REUTERS/Eloy Alonso

Santander anuncia fecho de 140 balcões no Reino Unido

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
CP: Adiamento de manutenção de comboios regionais vale demissão