Resultados

CP aumenta em 2% os passageiros transportados em 2015

A Comboios de Portugal transportou mais de 112 milhões de passageiros no ano passado, um aumento de 2,2 milhões face ao ano anterior.

A CP – Comboios de Portugal transportou mais de 112 milhões de passageiros em 2015, um aumento de 2,2 milhões face ao ano anterior, com crescimento em todos os serviços, mas sobretudo no longo curso.

Em 2015, a empresa registou um aumento de 2% em passageiros transportados, o que representou um acréscimo de 2,2 milhões, o que elevou em 2,8% os proveitos de tráfego, para cerca de 220,5 milhões de euros.

Já o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) operacional de 2015 teve uma queda na ordem dos 7,1 milhões de euros, para os 3,8 milhões de euros, o que é resultado sobretudo da ausência, pela primeira vez, de indemnizações compensatórias à empresa pública, que representavam cerca de 18 milhões de euros.

Ao longo de 2015, os gastos operacionais reduziram-se em 7%, com especial relevo para as poupanças com a energia e com a infraestrutura.

Segundo a empresa, o aumento da procura decorre do crescimento dos títulos próprios da CP, onde se registou um aumento de 3,3%, enquanto os títulos combinados se mantiveram inalterados.

Pelo segundo ano consecutivo, o número de passageiros transportados aumentou em todos os serviços da CP, sendo que nos comboios urbanos esse aumento foi da ordem dos 2%, tanto em Lisboa como no Porto.

Assim, nos comboios urbanos de Lisboa viajaram 75,8 milhões de passageiros, enquanto no Porto foram ultrapassados os 20 milhões de passageiros transportados, de acordo com a empresa.

Os serviços de longo curso, Alfa e Intercidades, registaram um número recorde de passageiros que ultrapassou os 5,5 milhões, o que representa um crescimento de 5% face ao ano anterior.

Nos comboios regionais o volume de passageiros cresceu 0,9%, representando 10,59 milhões de passageiros.

O presidente da CP, Manuel Queiró, considera que os resultados “reafirmam a qualidade da aposta na política comercial implementada e no envolvimento de toda a empresa numa nova dinâmica de soluções apresentadas ao mercado”.

Para 2016, o presidente da transportadora ferroviária nacional perspetiva “a continuação do crescimento real de passageiros e proveitos, consolidando assim a trajetória de sustentabilidade que permitiu à empresa apresentar resultados operacionais positivos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
CP aumenta em 2% os passageiros transportados em 2015