Tecnologia

CP lê passes e bilhetes no comboio com telemóveis

Lisboa , 05/05/2011 -Acompanhamento de um revisor de comboios na Linha de Cascais joão santos   (Orlando Almeida /Global Imagens)
Lisboa , 05/05/2011 -Acompanhamento de um revisor de comboios na Linha de Cascais joão santos (Orlando Almeida /Global Imagens)

Utentes poderão fazer pagamentos com cartão Multibanco graças à nova solução de fiscalização e venda a bordo da empresa pública.

Da próxima vez que andar de comboio não estranhe se o revisor usar um telemóvel para ler o seu bilhete ou passe. A CP já está a testar um novo sistema de fiscalização e venda a bordo dentro de Lisboa e que será alargado a todo o país ao longo do próximo ano. Também será possível pagar com o cartão de crédito os bilhetes comprados durante a viagem graças a um terminal TPA, do sistema Multibanco.

Os novos equipamentos já começaram a ser distribuídos nas linhas de comboios de Lisboa e o Dinheiro Vivo já viu como funciona este sistema: um smartphone com sistema operativo Android (da Google) faz a leitura do bilhete ou do passe; o terminal TPA, além dos pagamentos, é utilizado para imprimir recibos, autos ou outros documentos que venham a ser necessários.

“Esta nova solução veio tornar possível a leitura de todos os tipos de cartões existentes (utilizando chaves de encriptação quer da área metropolitana de Lisboa quer do Porto) e possibilitar o pagamento eletrónico com cartões bancários “, explica fonte oficial da empresa ao Dinheiro Vivo. A empresa pública não adiantou qual o investimento nesta solução.

Os revisores, com estes novos equipamentos, também podem trabalhar de forma mais segura porque não necessitam de andar com muito dinheiro nos bolsos ou então ter de pedir trocos aos restantes passageiros.

A compra de bilhetes dentro dos comboios da CP apenas é permitida quando não há sistemas de venda de títulos na estação de embarque ou “na área circundante à estação -200 metros além da zona limitada pela estação”, segundo as condições gerais de transporte.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
CP lê passes e bilhetes no comboio com telemóveis