CPI Banif quer documentos não rasurados e ouvir Oitante

PSD apresenta requerimento para chamar comissão de trabalhadores da Oitante à comissão de inquérito à venda e resolução do Banif

Os grupos parlamentares na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ao Banif apresentaram esta quarta-feira uma série de requerimentos a exigir o acesso a vários documentos que ou ainda não chegaram à comissão ou chegaram demasiado rasurados.

Segundo António Filipe, deputado do PCP e presidente da CPI, o grupo parlamentar comunista solicitou toda a documentação e correspondência entre o Banif e a Autoridade Tributária e a Arrow Global, empresa que contratou recentemente a ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque.

O Bloco de Esquerda, por seu turno, apresentou dois requerimentos à CPI do Banif, pedindo o reenvio da documentação do Banco de Portugal que apenas chegou esta quarta-feira ao Parlamento. "Hoje chegaram minutas das reuniões do Banco Central Europeu mas muita da informação vem rasurada, por vezes em páginas inteiras, impossibilitando qualquer leitura da documentação", explicou Mariana Mortágua.

A deputada do Bloco de Esquerda informou ainda que o seu grupo parlamentar vai igualmente exigir o acesso da "proposta de compra" que terá surgido em Maio de 2015, "no valor de 700 milhões de euros", uma oferta não vinculativa que foi esta quarta-feira noticiada pelo "Público".

Do lado socialista, e além do apoio logo manifestado aos requerimentos apresentados pelo Bloco, Eurico Brilhante Dias anunciou que o PS vai "apresentar requerimento para que seja pedido formalmente ao Governador do Banco de Portugal os cálculos que serviram de base aos cenários alternativos" para o banco madeirense.

Já do lado do PSD surgiu o requerimento para a CPI ao Banif ouvir igualmente a comissão de trabalhadores da Oitante, entidade que ficou com os trabalhadores e os ativos do Banif que o Santander Totta não quis.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de