Crédito a empresas continuou em julho no valor mais alto desde setembro de 2018

O total de empréstimos a empresas atingiu 71,585 mil milhões de euros no final de julho, mantendo-se no valor mais elevado desde setembro de 2018.

O total de empréstimos a empresas atingiu 71,585 mil milhões de euros no final de julho, mantendo-se no valor mais elevado desde setembro de 2018, tal como em junho, segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal.

Segundo as estatísticas do Banco de Portugal (BdP), o 'stock' dos empréstimos concedidos pelos bancos às empresas em julho (de 71,585 mil milhões de euros) representava mais 0,96% do que em junho e mais 2,66% do que no mesmo mês de 2019.

O crédito malparado nas empresas representava, em julho, 4,1% do crédito total, o mesmo valor de junho e abaixo dos 7% de julho de 2019.

Já quanto ao 'stock’ de empréstimos aos particulares, este era de 119,176 mil milhões de euros em julho, neste caso o valor mais elevado desde novembro de 2015.

O valor de julho significa ainda ligeiros 0,17% face a junho e 1,22% face ao mesmo mês de 2019.

Nos particulares destacam-se os empréstimos à habitação, cujo valor ascendia a 93,618 mil milhões de euros em julho, ligeiros 0,18% acima de junho e 0,86% acima do valor de período homólogo.

No crédito ao consumo, o valor concedido em julho era de 19,058 mil milhões de euros, semelhante a junho (0,07%) mas com um crescimento de 6,41% em termos homólogos.

Os empréstimos a outros fins totalizavam 6,501 mil milhões de euros em julho, mais 0,21% face a junho, mas menos 7,4% do que em julho do ano passado.

Quanto ao malparado, no crédito à habitação representava 0,7% em julho, o mesmo valor de junho e abaixo dos 1,3% do mesmo mês do ano passado.

Já no crédito ao consumo e outros fins, o malparado representava 6,7% em julho, tanto abaixo dos 6,9% de junho como dos 7,5% de julho de 2019.

Analisando pelo número total de devedores (e não pelos montantes do crédito), segundo o Banco de Portugal, 9,3% dos particulares tinham em julho empréstimos vencidos, abaixo dos 9,6% de junho, mas acima dos 9% de julho de 2019.

Já nas empresas, o número de devedores era de 18,9% do total em julho, abaixo dos 19,2% tanto de junho como de julho de 2019.

Devido à crise económica provocada pela pandemia de covid-19, estão em vigor empréstimos às empresas com garantias do Estado, assim como a suspensão dos pagamentos das prestações de créditos de particulares e de empresas (capital e/ou juros) até março de 2021.

Ainda segundo os dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal, os depósitos de particulares nos bancos residentes totalizavam 159,2 mil milhões de euros no final de julho, mais 1,8% do que em junho e mais 6,5 do que em julho em 2019.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de