Coronavírus

Crescimento diário de produto de videoconferência da Google ultrapassou os 60%

Thomas Kurian assumiu o cargo de CEO da Google Cloud em 2019. Foto: Direitos Reservados
Thomas Kurian assumiu o cargo de CEO da Google Cloud em 2019. Foto: Direitos Reservados

O serviço de videoconferência da Google tem visto as utilizações diárias crescer ao longo das últimas semanas, nota o CEO da Google Cloud.

Numa publicação assinada pelo líder da Google Cloud, Thomas Kurian, a tecnológica pretende mostrar como é que os serviços de computação em nuvem estão a ajudar a responder aos desafios da pandemia global.

“Em todo o mundo, empresas e utilizadores dependem do Google Cloud para os ajudar a permanecer ligados e a fazer o seu trabalho. E levamos esta responsabilidade muito a sério. Hoje, quero partilhar muitas das formas pelas quais estamos a trabalhar para apoiar empresas, instituições governamentais, investigadores e outros”, escreve Kurian, na publicação partilhada no blog da Google.

Um dos aspetos mais relevantes está ligado à área do trabalho. A Europa está a assistir a um verdadeiro ‘boom’ do teletrabalho, devido aos pedidos para as pessoas ficarem em casa para evitar contágios e de recurso ao trabalho remoto, sempre que tal seja possível. Os números agora revelados pela Google mostram um aumento significativo da ferramenta de videoconferência Google Meet. “Nas últimas semanas, o crescimento diário do Meet ultrapassou os 60% e, como resultado, a sua utilização diária cresceu 25 vezes face a janeiro. Apesar deste crescimento, a procura tem estado dentro da capacidade de nossa rede”, destaca a Google Cloud.

Uma das medidas disponibilizada pela Google foi o acesso gratuito a funcionalidades pagas de alguns serviços, como é o caso da G Suite (a versão empresarial) e a G Suite for Education, a nível mundial.

No caso da educação, com a G Suite for Education sem custos por estes dias, com as escolas fechadas em vários pontos do mundo muitos professores e alunos estão a virar-se para esta alternativa. “As instituições de ensino foram particularmente afetadas pelo coronavírus e estamos a realizar várias iniciativas para as apoiar, desde a disponibilização de conteúdo gratuito e ferramentas educativas ao apoio a iniciativas de ensino à distância que ajudam os educadores a continuarem a ensinar os alunos que estão em casa”, indica o responsável da Google Cloud.

Em Itália, o país europeu mais afetado pela pandemia, a empresa associou-se ao Ministério da Educação italiano para assegurar uma alternativa de ensino remoto. Neste momento, milhões de alunos italianos estão a utilizar esta forma de ensino à distância. Também estão a ser desenvolvidos trabalhos na área da educação online em países como a Malásia ou Indonésia.

Outro dos exemplos dado pela empresa que mostra o crescimento do ensino online é a plataforma de ensino Khan Academy, uma organização sem fins lucrativos. “Desde o início do encerramento das escolas, a Khan Academy está a registar um crescimento recorde em todas as métricas: o tempo gasto no website é aproximadamente 2,5 vezes o normal, os registos dos alunos e professores aumentaram cerca de seis vezes face ao mesmo período do ano passado, e os registos dos pais aumentaram 20 vezes do que o normal”, indica a tecnológica.

Ainda na área da formação, outra das iniciativas da Google por estes dias tem sido a disponibilização de recursos de aprendizagem da Google Cloud de forma gratuita. Até ao dia 30 de abril, estarão disponíveis a custo zero o catálogo de formações, workshops práticos no Qwiklabs e webinars interativos do Cloud OnAir.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Indústria têxtil em força na principal feira de Saúde na Alemanha

O Ministro das Finanças, João Leão. EPA/MANUEL DE ALMEIDA

Nova dívida da pandemia custa metade da média em 2019

spacex-lanca-com-sucesso-e-pela-primeira-vez-a-nave-crew-dragon-para-a-nasa

SpaceX lança 57 satélites para criar rede mundial de Internet de alta velocidade

Crescimento diário de produto de videoconferência da Google ultrapassou os 60%