aviação

Crise com 737 MAX custa mil milhões à Boeing

Boeing
REUTERS/Brendan McDermid

Fabricante norte-americana vê-se a braços com uma enorme crise iniciada que está a colocar o seu bestseller em terra

Não é surpresa para ninguém. Os dois acidentes mortais que envolveram os aviões Boeing 737 MAX tiveram um impacto direto nas contas da fabricante norte-americana. Os lucros da Boeing caíram 21% no primeiro trimestre, anunciou esta quarta-feira, a empresa.

A Boeing, que ao longo dos anos tem competido diretamente com a fabricante europeia Airbus pelo pódio na produção de aviões, registou um lucro operacional de 1,98 mil milhões de dólares, menos 21% do que os 2,51 milhões dos primeiros três meses de 2018.

O período é de incerteza. Numa altura em que o bestseller da fabricante está em terra, a Boeing admite que as previsões traçadas para este ano “não refletem” a nova realidade. “Devido à incerteza atual e às condições que envolvem o regresso da operação da frota 737 MAX, serão dadas novas orientações numa data futura”, refere a empresa, que assegura que “está a fazer sucessivos progressos para a certificação final do software de atualização do 737 MAX, com mais de 135 voos para teste deste software”.

Dennis Muilenburg, CEO da empresa, lembra que “por toda a empresa estamos focados na segurança e no regresso do 737 MAX à operação”. O responsável diz que quer “reconquistar a confiança dos clientes, reguladores e público que viaja de avião”.

Ao mesmo tempo, Muilenburg realça que “enquanto trabalhamos para ultrapassar este período desafiante para os nossos clientes, acionistas e empresa, a nossa atenção está focada em entregar qualidade e performance, e percorrer um modelo de negócio saudável e sustentado focado no longo prazo”.

Na apresentação de resultados, a fabricante admitiu que o cancelamento de entregas do 737 teve um custo de mil milhões de dólares. As previsões apontavam para a produção de 52 aviões por mês, mas os dois acidentes cortaram para 42 o número de aviões produzidos. Como consequência, o cash flow da empresa afundou – está 350 milhões de dólares abaixo do registado há um ano.

Uma investigação feita pelo The New York Times, e divulgada este fim-de-semana, expõe falhas na empresa. A publicação revela que na Boeing existe uma cultura empresarial que dá preferência à rapidez, em detrimento à qualidade e que os trabalhadores eram pressionados a trabalhar rapidamente, enquanto a fabricante de aeronaves ignorava as preocupações apresentadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

Crise com 737 MAX custa mil milhões à Boeing