fisco

Cristiano Ronaldo pode pagar mais de 14 milhões ao Fisco espanhol

(REUTERS/Sergio Perez)
(REUTERS/Sergio Perez)

O acordo, se for validado, implicará a retirada das acusações sobre o agente Jorge Mendes e Luís Correia, da Gestifute.

Cristiano Ronaldo prepara-se para se declarar como culpado dos quatro crimes fiscais de que é acusado pela autoridade tributária espanhola. O jogador português propôs um acordo para pagar 14,7 milhões de euros ao Fisco e assim evitar o julgamento, adianta esta sexta-feira o jornal El Mundo, que cita fontes próximas do processo. As autoridades do país vizinho estão a avaliar o documento.

A negociação deste acordo judicial estará a decorrer há vários meses, segundo a mesma publicação. Até agora, o advogado do jogador, José Antonio Choclán, só admitia o acordo se o processo fosse tratado por via administrativa e se fossem retiradas as acusações de crimes fiscais. A autoridade tributária espanhola recusou este cenário e apenas admite retirar uma das quatro acusações.

O acordo, se for validado, implicará a retirada das acusações sobre o agente Jorge Mendes e Luís Correia, da Gestifute, a empresa de Jorge Mendes, por parte do tribunal de Madrid.

Cristiano Ronaldo é acusado da prática de quatro crimes de fraude fiscal, entre 2011 e 2014, e que terão deixado em falta 14,7 milhões de euros de impostos. Segundo as autoridades espanholas, Ronaldo aproveitou-se de uma sociedade criada em 2010 para ocultar ao fisco as receitas geradas em Espanha pelos seus direitos de imagem.

Em meados de outubro, a defesa do jogador considerou a acusação como “inconsistente” e “sem fundamental algum”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Cristiano Ronaldo pode pagar mais de 14 milhões ao Fisco espanhol