media

Cristina deverá ganhar 3 milhões na TVI. Arrisca 4 milhões de indemnização à SIC

Concurso "Prémio de sonho", com Cristina Ferreira, na SIC. 

(Filipe Amorim / Global Imagens)
Concurso "Prémio de sonho", com Cristina Ferreira, na SIC. (Filipe Amorim / Global Imagens)

SIC deverá avançar com pedido de indemnização à apresentadora por quebra de contrato. Cristina Ferreira estava ligada à estação até 2022.

Cristina Ferreira está de regresso à TVI, cerca de dois anos depois de ter integrado a SIC. A rescisão unilateral do contrato que ligava apresentadora do Programa da Cristina à estação do grupo de Pinto Balsemão até 2022 apanhou o canal de surpresa. A SIC diz que “reserva todos os seus direitos em face desta situação”. O que pode significar o pagamento de uma indemnização até 4 milhões de milhões, apurou o Dinheiro Vivo junto a fonte conhecedora do processo.

A Media Capital terá avançado com uma proposta na ordem dos 3 milhões de euros/ano em termos de salário, valor acima dos cerca de 1 milhão/ano que a apresentadora auferia na SIC, de acordo com fontes conhecedoras do processo. Até ao momento não foi possível obter um comentário do grupo dono da TVI e quando contactada pelo Dinheiro Vivo a agente da apresentadora não quis comentar esta informação, remetendo para o comunicado.

A agente de Cristina Ferreira também não quis comentar a informação de que esta saída, a largos meses do fim do contrato (em vigor até 30 de novembro de 2022), poderia implicar o pagamento de uma indemnização por quebra de contrato e outros compromissos contratuais assumidos pela SIC ao nível da produção e comerciais, com marcas anunciantes no programa, na ordem dos 4 milhões de euros, de acordo com informação obtida junto a fonte conhecedora do processo.

Fonte oficial da SIC não quis comentar esta informação, remetendo apenas para o comunicado, quando contactada pelo Dinheiro Vivo.

A apresentadora integra a TVI a partir de 1 de setembro, passando a assumir como diretora de ficção e entretenimento. Mas também já manifestou vontade de comprar uma participação na Media Capital, passando a ser igualmente acionista do grupo dono da TVI. O valor da participação não foi revelado, mas a concretizar-se junta-se aos atuais acionistas Prisa (com cerca de 64%), Mário Ferreira (30%) e o banco galego Abanca (5%).

Mudanças na liderança do grupo. ERC analisa eventual papel de Mário Ferreira

A saída de Cristina Ferreira abre uma brecha nas manhãs da SIC horário em que liderava. E surge na mesma semana em que na Media Capital se tem assistido a mudanças na estrutura de liderança de topo.

Além da subida de Nuno Santos da direção de programas para a direção-geral da TVI, no grupo Luís Cabral renunciou ao cargo de CEO, tendo sido substituído por Manuel Alves Monteiro. O agora CEO era desde abril administrador não executivo na Media Capital e considerado próximo do acionista Mário Ferreira, pois é vogal da Mystic River, empresa controlada pelo empresário.

Mudanças que surgem uma semana depois de Sérgio Figueiredo ter saído da direção de informação.

Alterações que o Correio da Manhã (diário da Cofina que veio esta sexta-feira confirmar que continua interessado na compra da dona da TVI) aponta à Purvis de Mário Ferreira, que detém 30% da Media Capital.

A ERC admite estar a analisar o caso. Esta sexta-feira emitiu um comunicado. “Tendo tomado conhecimento de mudanças relevantes na estrutura da TVI”, o regulador “está a avaliar o âmbito das mesmas e eventual configuração de nova posição”. “Em análise está a eventual alteração não autorizada de domínio, que envolve responsabilidade contraordenacional e pode dar origem à suspensão de licença ou responsabilidade criminal, tendo em conta o artigo 72.º da Lei da Televisão e dos Serviços Audiovisuais a Pedido”, avisa a ERC.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

Cristina deverá ganhar 3 milhões na TVI. Arrisca 4 milhões de indemnização à SIC