recrutamento

Critical Techworks quer libertar 400 code monkeys

BANNER_1_Code monkeys-01-02-02

Até ao fim do ano, a empresa conta ter 600 colaboradores. Em 2020, quer chegar aos mil

“Free the code monkeys” é o título da campanha de recrutamento que a Critical Techworks, joint venture entre a tecnológica portuguesa Critical Software e o grupo alemão BMW, acaba de lançar para captar mais de 400 colaboradores para os seus escritórios no Porto e Lisboa. A empresa, que desenvolve produtos para o carro do futuro, quer atrair talentos de áreas como a engenharia, software e programação. Serem criativos e pensar ‘out of the box’ são requisitos fundamentais.

“Não queremos o que nestas profissões se costuma designar por code monkeys, colaboradores que se limitam à introdução de códigos, a funções repetitivas, pretendemos estimular o potencial dos nossos colaboradores para transformar a mobilidade do futuro”, diz Susete Ferreira, diretora de marketing da Critical Techworks. “Procuramos pessoas disponíveis para desafiar o status quo”, sublinha. O processo de recrutamento arrancou hoje e as vagas a preencher não pressupõem limites de idade. “Queremos seniores e juniores, que entendam que vão para um projeto que vai alterar o carro do futuro”, adianta ainda.

A Critical Techworks emprega atualmente mais de 500 pessoas, sendo que o objetivo é fechar o ano com 600 colaboradores. Em 2020, a meta é ter uma equipa de mil funcionários a trabalhar nos automóveis da BMW do futuro, melhorando a experiência dos condutores dentro e fora do carro. Para Susete Ferreira, a oportunidade de trabalhar no automóvel do futuro é um dos maiores aliciantes para trabalhar na empresa.”O projeto é desafiante e ambicioso, com impacto real no mundo, no futuro da mobilidade”, frisa.

A Critical Techworks, que celebrou este mês um ano de atividade, desenvolve soluções de engenharia de software para a BMW, em áreas como a condução autónoma, mobilidade, software de bordo, tecnologia para carros conectados, análise de dados, eletrificação, produção e logística.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

NUNO VEIGA / LUSA

Governo apresentou queixa contra 21 pedreiras em incumprimento

Outros conteúdos GMG
Critical Techworks quer libertar 400 code monkeys