correios

CTT acata proposta da Anacom para densidade da rede postal

O Banco CTT regista o maior número de queixas no crédito à habitação.
(Amin Chaar / Global Imagens)
O Banco CTT regista o maior número de queixas no crédito à habitação. (Amin Chaar / Global Imagens) Fotografia: D.R.

Regulador tinha considerado em abril que o operador postal não tinha respondido a todas as preocupações da Anacom

Os CTT acataram a proposta da Anacom que complementa os objetivos de densidade da rede postal. A proposta inicial tinha sido rejeitada em abril pelo regulador por entender que a mesma “não respondia cabalmente às necessidades dos utilizadores.”

O regulador considera que em cada concelho os CTT são obrigados a assegurar a prestação da totalidade dos serviços concessionados, através de uma estação de correios ou um posto de correios “com características equivalentes à das estações de correios.”

A proposta agora reformulada pelo operador postal “vem dar resposta às preocupações da Anacom e já leva em devida consideração o quadro de referência definido por esta Autoridade na sua decisão de janeiro de 2019”, destaca o regulador em comunicado.

Na proposta, os CTT “clarificam que a sua proposta se aplica a todos os postos de correios que, em cada concelho, prestam a totalidade dos serviços concessionados e funcionam em 99% dos concelhos do país, todos os dias úteis durante um período mínimo diário de 6 horas e no restante 1% dos concelhos todos os dias úteis durante um período mínimo diário de 3 horas”.

O novo plano também responde às preocupações de formação dos colaboradores que prestam os serviços, incluindo no atendimento, especificando que esta “será ministrada em tempo real, na presença de serviços solicitados pelos clientes”, e “em simulação de outros serviços concessionados”, ocorrendo “formação contínua sempre que existam reclamações sobre procedimentos e forma de prestação dos serviços”.

Responde igualmente às questões referentes às instalações onde são prestados os serviços. Os CTT garantem que “serão acauteladas as condições provisórias para a adequada prestação dos serviços postais nas situações em que exista necessidade de intervenção nas instalações, garantindo também a promoção da acessibilidade no acesso por parte dos utilizadores com necessidades especiais”, tendo ainda especificado “a sinalética externa a ser adotada nos postos de correios de modo a garantir a sua fácil identificação”.

O operador postal também se compromete a realizar semestralmente inquéritos de satisfação dos clientes, tendo especificado quais os “procedimentos que devem ser seguidos no tocante às reclamações apresentadas, permitindo assim a existência de um registo completo das reclamações e de procedimentos adequados para o seu tratamento”.

Em termos de atendimento, os Correios indicaram quais as melhorias que se propõem introduzir nos postos de correios, assegurando “a criação de um espaço individualizado para atendimento e prestação dos serviços postais, com um distanciamento necessário para proteger a confidencialidade das informações transmitidas ou armazenadas”, bem como qual a “organização necessária à proteção dos objetos, de modo a assegurar o sigilo e confidencialidade das informações transmitidas e armazenadas”.

O operador postal também respondeu às preocupações levantadas pelo regulador sobre a informação disponível ao público, indicando que “serão fornecidos os meios de atualização da informação a disponibilizar ao público, sendo também comunicada aos postos de correios a informação a disponibilizar, com a antecedência necessária a assegurar o cumprimento dos prazos definidos pela Anacom”.

“Clarificam ainda que a informação quanto ao horário de funcionamento deve ser colocada em local visível do exterior do estabelecimento, mesmo quando este se encontra fechado, preferencialmente na porta do posto de correios”, que “os clientes que entrem no posto de correios antes da hora de fecho de funcionamento do mesmo serão atendidos”.

  • E indicam claramente que “no âmbito do controlo e supervisão a ser efetuado pelos CTT, a realização de auditorias internas e apresentam informação sobre a sua periodicidade, bem como sobre o necessário registo da informação relevante.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
CTT acata proposta da Anacom para densidade da rede postal