CTT

CTT fazem nova distribuição extraordinária de correio na terça-feira

Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens
Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Sindicatos e empresa com taxas distintas de adesão da greve de dois dias: entre 17% e 80%

Os CTT fizeram ontem e uma distribuição extraordinária de correio, que se vai repetir na próxima terça-feira. “Os CTT confirmam que procederão a uma distribuição extraordinária de correio sábado, dia 23 de dezembro, e na próxima terça-feira, dia 26 de dezembro, de forma a responder ao volume acrescido de tráfego habitual neste período particular do ano”, adiantou fonte oficial do operador postal ao Dinheiro Vivo.

Os Correios apontam esta decisão ao aumento do tráfego postal nesta época, mas, no âmbito da greve de dois dias, a empresa já admitia avançar com uma distribuição adicional, caso a paralisação levasse a constrangimentos na distribuição. No segundo dia de greve, os CTT mantiveram uma taxa de adesão de 17%. Por isso, o operador postal garantia que a distribuição postal continuou a ser prestada ontem, “não tendo esta paralisação cumprido o seu objetivo de interromper o serviço aos clientes”.

No que toca às lojas, dos 608 espaços CTT apenas um, o de Óbidos, aderiu à greve. Menos um do que no primeiro dia de paralisação quando a loja no Madeira Shopping tinha igualmente fechado.

Os números dos sindicatos têm outra ordem de grandeza: entre os 80% (nos turnos da noite) e os 70%. “A adesão à greve subiu ligeiramente no segundo, com algumas centenas de trabalhadores a juntar-se à paralisação”, diz Vítor Narciso, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), apontando para uma adesão de 70%. “Muitas lojas funcionaram com um ou dois colaboradores com filas enormes”, diz.

“O nosso objetivo foi alcançado: tivemos adesão dos trabalhadores e colocámos em cima da mesa a discussão sobre os CTT na opinião pública”. O Sindicato quer reverter a privatização dos Correios.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: D.R.

Fisco vendeu uma média de 134 imóveis penhorados por mês

Presidente de Angola, João Lourenço. REUTERS/Philippe Wojazer

Visita de João Lourenço pode enterrar “irritante” entre Portugal e Angola

Ana Paula Vitorino, ministra do Mar.
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Ministra do Mar exige solução urgente para conflito laboral no porto de Setúbal

Outros conteúdos GMG
CTT fazem nova distribuição extraordinária de correio na terça-feira