CTT

CTT fazem nova distribuição extraordinária de correio na terça-feira

Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens
Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Sindicatos e empresa com taxas distintas de adesão da greve de dois dias: entre 17% e 80%

Os CTT fizeram ontem e uma distribuição extraordinária de correio, que se vai repetir na próxima terça-feira. “Os CTT confirmam que procederão a uma distribuição extraordinária de correio sábado, dia 23 de dezembro, e na próxima terça-feira, dia 26 de dezembro, de forma a responder ao volume acrescido de tráfego habitual neste período particular do ano”, adiantou fonte oficial do operador postal ao Dinheiro Vivo.

Os Correios apontam esta decisão ao aumento do tráfego postal nesta época, mas, no âmbito da greve de dois dias, a empresa já admitia avançar com uma distribuição adicional, caso a paralisação levasse a constrangimentos na distribuição. No segundo dia de greve, os CTT mantiveram uma taxa de adesão de 17%. Por isso, o operador postal garantia que a distribuição postal continuou a ser prestada ontem, “não tendo esta paralisação cumprido o seu objetivo de interromper o serviço aos clientes”.

No que toca às lojas, dos 608 espaços CTT apenas um, o de Óbidos, aderiu à greve. Menos um do que no primeiro dia de paralisação quando a loja no Madeira Shopping tinha igualmente fechado.

Os números dos sindicatos têm outra ordem de grandeza: entre os 80% (nos turnos da noite) e os 70%. “A adesão à greve subiu ligeiramente no segundo, com algumas centenas de trabalhadores a juntar-se à paralisação”, diz Vítor Narciso, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), apontando para uma adesão de 70%. “Muitas lojas funcionaram com um ou dois colaboradores com filas enormes”, diz.

“O nosso objetivo foi alcançado: tivemos adesão dos trabalhadores e colocámos em cima da mesa a discussão sobre os CTT na opinião pública”. O Sindicato quer reverter a privatização dos Correios.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
CTT fazem nova distribuição extraordinária de correio na terça-feira