Daimler e Geely investem 50 milhões de euros em táxi aéreo Volocopter

Há várias empresas que estão a trabalhar para desenvolver serviços de táxi aéreo. Uma delas é a Volocopter, que recebeu um investimento de 50 milhões

O objetivo da Volocopter já está traçado desde o ano passado, quando anunciou que planeava ter uma frota de táxis autónomos voadores no espaço de cinco anos. Mas, para dar um passo em frente nesta indústria, é necessário garantir um número avultado de investimentos.

Na última ronda de financiamento, a fabricante alemã Volocopter conseguiu angariar investimentos de duas gigantes: a Daimler e o grupo chinês Geely, que fabrica os veículos da Lexus e da Volvo. No total, a empresa conseguiu angariar 50 milhões de euros nesta ronda de investimento. A empresa refere que já tem destino para este valor: garantir que há testes deste serviço na China, para lançar um serviço de táxi aéreo comercial nos próximos anos.

Leia também | Conheça os robôs colaborativos dinamarqueses que estão a ‘invadir’ Portugal

A Volocopter anunciou no mês passado a quarta geração do veículo elétrico eVTOL. Ainda este ano, a empresa pretende arrancar com testes nos céus de Singapura.

Apesar de ter garantido investimento de dois pesos pesados, a fabricante alemã vai ter de enfrentar uma forte concorrência. O mundo dos táxis aéreos é visto por muitos como uma forma de resolver o problema do trânsito nas grandes cidades e há cada vez mais empresas interessadas em ser a primeira a disponibilizar serviços do género.

Leia também | Há mais concorrentes na corrida ao transporte aéreo pessoal

A Uber é um dos casos, tendo até já escolhido as cidades de Melbourne, na Austrália, Los Angeles e Dallas, nos Estados Unidos, para testar o serviço aéreo UberAIR a partir de 2020. Mas não é a única a tentar vingar neste mercado: existe também a Kitty Hawk, uma empresa que pretende lançar um serviço de táxi aéreo e que já conta com o apoio de Larry Page, co-fundador da Google.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de