Retalho Alimentar

De Carnaxide ao Bairro Azul, Lidl investe 25 milhões na Grande Lisboa

Alexis Latorre García, diretor LIDL para a região de Lisboa, na nova loja do LIDL na estão de Entrecampos em Lisboa.

Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens
Alexis Latorre García, diretor LIDL para a região de Lisboa, na nova loja do LIDL na estão de Entrecampos em Lisboa. Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Cadeia de retalho alemã investiu 6 milhões nas duas lojas que abriu nas estações de comboio de Sete Rios e Entrecampos

De Carnaxide ao Bairro Azul, o Lidl está a preparar um plano de aberturas na Grande Lisboa no qual investiu 25 milhões de euros. “Neste ano temos previsto na Grande Lisboa abrir quatro lojas: no Ikea de Loures, no Bairro Azul, temos a intenção de abrir em Carnaxide, num antigo terreno da SIC, e nos Olivais Sul. Vamos garantir duas aberturas, com uma perspetiva de quatro”, avança Alexis Latorre García, diretor do Lidl para a região de Lisboa.

A cadeia alemã fechou o ano fiscal de 2018, que encerrou em fevereiro, com 20 lojas na Grande Lisboa. E até ao final do ano fiscal de 2020, conta ter mais cinco.

Lidl estende a estações
Do montante injetado na expansão na rede na Grande Lisboa, seis milhões foram para a abertura das duas lojas Lidl nas estações de comboio de Sete Rios e Entrecampos, uma parceria com a Infraestruturas de Portugal. “São duas das estações mais movimentadas de Lisboa, por onde passam 18 milhões de pessoas por ano, gerando uma enorme atratividade.”

Supermercados em estações não é novidade – a Jerónimo Martins, por exemplo, tem lojas Pingo Doce no Cais do Sodré e em Santa Apolónia -, mas Alexis Latorre García frisa que a entrada do Lidl nestas localizações é com o “formato standard”. Ou seja, lojas com mais de mil metros quadrados e onde o Lidl garante colocar o sortido completo. Mas com um enfoque na conveniência: logo à entrada, padaria, fruta e refeições pré-confeccionadas. E duas novidades: o self check out (em que o próprio cliente faz a sua saída da loja, sem passar pela caixa) e fila única. Em condições normais, o check out pode ser feito em menos de um minuto. “Se temos como referência cinco minutos, estamos a dar uma enorme vantagem.”

Bairro Azul e Olivais Sul
A cadeia alemã vai ainda abrir uma loja no “coração” do El Corte Inglés em Lisboa: no Bairro Azul. “O que medimos é o tráfego. É quase uma coincidência o El Corte Inglés estar ali”, diz Alexis Latorre García. “Será uma loja de 600 m2, onde teremos de otimizar toda a logística e forma de trabalhar standard.” Esta é, juntamente com a do Ikea de Loures (com abertura prevista para o verão), uma das duas das lojas que o Lidl conta abrir neste ano. Já as de Carnaxide ou de Olivais Sul poderão resvalar para 2020.

O negócio do terreno, um antigo lote junto à SIC, ao grupo Impresa foi conhecido em março de 2018, mas a sua conclusão só ocorreu este ano: 3,2 milhões de euros. Porque a demora? “A expansão tem de respeitar uma série de passos até ao licenciamento e quando fechamos os investimentos temos de garantir que a finalidade dos terrenos estão de acordo com a nossa atividade”, justifica.

As obras no futuro supermercado nos Olivais Sul (num terreno de 3000 m2 perto do Spacio Shopping) já começaram. “Vai ser uma loja (com cerca de 1500 m2) muito complexa arquitetonicamente, são várias caves de garagem. Não garanto que seja já este ano”, diz. A abertura poderá ser em 2020. Nesse ano, contam abrir um Lidl em Porto Salvo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emmanuel Macron, Pedro Sanchez, Angela Merkel, Donald Tusk, Jair Bolsonaro e Mauricio no G20 de Osaka, Japão, 29 de junho de 2019. Fotografia: REUTERS/Jorge Silva

Vírus da guerra comercial já contamina acordo entre Europa e Mercosul

O presidente da China, Xi Jinping, fez uma visita de Estado a Portugal no final de 2018. Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Angola e China arrastam exportações portuguesas. Alemanha e Itália ainda não

Duarte Cordeiro, Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares

“Votantes não compreendem a incapacidade da esquerda se entender”

Outros conteúdos GMG
De Carnaxide ao Bairro Azul, Lidl investe 25 milhões na Grande Lisboa