Tecnologia

Depois da Google, principais tecnológicas dos EUA suspendem negócios com Huawei

Fotografia: Thomas Peter/ Reuters.
Fotografia: Thomas Peter/ Reuters.

Intel, Qualcomm, Xilinx Inc e Broadcom já informaram os funcionários que vão deixar de fornecer equipamentos à Huawei até nova ordem em contrário.

As principais empresas de tecnologia dos Estados Unidos, incluindo a Google, começaram no domingo a suspender os negócios com a gigante chinesa de telecomunicações Huawei, em resposta às diretrizes do Presidente norte-americano.

De acordo com fontes citadas pela Bloomberg, a Alphabet, empresa-mãe da Google, já decidiu cortar o fornecimento de equipamentos informáticos e alguns serviços de programação para a gigante de telecomunicações.

Da mesma forma, os principais fabricantes de processadores, como a Intel, Qualcomm, Xilinx Inc e Broadcom, já informaram os seus funcionários que vão deixar de fornecer equipamentos à Huawei até nova ordem em contrário, segundo a mesma agência.

Na passada quarta-feira, Donald Trump declarou “emergência nacional” e emitiu uma ordem executiva a proibir empresas do país de usarem equipamentos de telecomunicações de empresas estrangeiras consideradas de risco.

A ordem executiva não impôs automaticamente restrições à compra e venda de equipamentos de telecomunicações, mas deu ao secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, cinco meses para estabelecer quais empresas deveriam estar sujeitas às novas restrições.

Ao mesmo tempo que trava uma guerra comercial com Pequim, Washington tem liderado uma campanha global para impedir que empresas chinesas, como a Huawei, assumam o controlo das redes 5G.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Remessas de emigrantes voltam a disparar. Crescem 12,5% até julho

Remessas de emigrantes voltam a disparar. Crescem 12,5% até julho

O secretário Geral do Partido Socialista, António Costa (C) acompanhado pelo cabeça de lista do PS às eleições Europeias, Pedro Marques (E) e pelo Socialista Mário Centeno (D) num jantar comício em Setúbal no âmbito da campanha para as Eleições Europeias 2019. 22 de maio de 2019. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Centeno aponta margem de 200 milhões para aumentos na Função Pública

O ministro das Finanças, Mário Centeno, discursa na  Convenção Nacional do PS a decorrer no Pavilhão Carlos Lopes, Lisboa, 20 de julho de 2019.  O Partido Socialista apresenta as suas propostas para as eleições legislativas de outubro, como conclusão das sessões organizadas sob o lema "Porque #TodosDecidem". MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Centeno. “No programa do BE passamos do fazer acontecer para fazer desaparecer”

Outros conteúdos GMG
Depois da Google, principais tecnológicas dos EUA suspendem negócios com Huawei