empreendedorismo

Depois de perder para Phelps, nadador torna-se empreendedor de sucesso

piscina - natação

Chris DeJong perdeu o lugar na equipa olímpica dos EUA por três décimas de segundo. Anos depois, fundou uma escola para ensinar os mais novos a nadar.

Em 2008, Chris DeJong debatia-se lado a lado com Michael Phelps na qualificação para um lugar na equipa dos Estados Unidos (EUA) para os Jogos Olímpicos de Verão de Pequim. O nadador viu o sonho olímpico terminar por três décimas de segundo.

“Eu soube que a minha carreira de natação de competição tinha acabado. E não sabia realmente o que iria fazer no futuro”, contou DeJong, à CNN, que tinha na altura 24 anos. Quatro anos depois, fundou a Big Blue Swim School.

Hoje, DeJong gere cinco escolas de natação na zona de Chicago (EUA). Depois de a ter franchisado em outubro do ano passado, espera chegar às 400 escolas nos próximos 10 anos. “Para ser honesto, tenho a certeza que se tivesse integrado a equipa, não tinha deixado o desporto como o desejo suficiente para começar um negócio”, diz.

A natação faz parte da vida de DeJong desde a sua infância. E este confessa que nunca pensou na atividade como uma profissão. Quando terminou a carreira na competição, ainda pensou em ingressar no curso de Direito, mas ainda não estava preparado para deixar as piscinas.

Começou por dar aulas particulares de natação a crianças entre os três e os cinco anos na zona de Chicago. “Alugava espaços em piscinas onde podia nos subúrbios”, conta. DeJong contava ainda com a ajuda de um amigo, John Lonergan, nadador de competição da Universidade de Iowa, e os dois lecionavam aulas semanais. Cada aula de meia hora custava 20 dólares. Para DeJong, ensinar as crianças a nadar era uma forma de recuperar da perda e redescobrir a diversão de nadar. “Lecionámos durante dois anos e meio, quando nos apercebemos que tínhamos 600 crianças. Estávamos a ganhar dinheiro”.

Os dois criaram um plano de negócio e foram à procura de investimento, incluindo alguns pais de alunos, para construir uma piscina permanente. Um dos primeiros investidores foi um dos donos do Chicago Cubs e diretor financeiro do Partido Republicano, Todd Rickets, cuja filha era aluna de DeJong. O ex-nadador de competição conseguiu angariar 1,2 milhões de euros e com isso arranjar um lugar para construir uma piscina.

Em abril de 2012, os dois amigos abriram a sua primeira Big Blue Swim School em Wilmette, Illinois, a norte de Chicago. Uma semana após a abertura, o número de alunos passou de 600 para 2.200.

Os pais têm acesso a um software – “Lesson Buddy” -, onde podem marcar as aulas das crianças e ver o seu progresso em tempo real.

Até hoje, a Big Blue Swim School já angariou um total de 20 milhões de dólares, incluindo 16 milhões da Level 5 Capital Partners, que adquiriram a maioria da empresa e constituem um parceiro de franchising.

Desde que o negócio foi franchisado, já fecharam acordos em cinco novas localizações em Denver, dez em Chicago, seis em Minneapolis e três em Salt Lake City. Apesar de não revelar as receitas anuais, DeJong garantiu que o negócio é rentável.

De acordo com a empresa, o investimento total no processo de franshising está entre 1,8 milhões e 3,6 milhões de dólares, incluindo custos de imobiliário e marketing.

DeJong atribui o seu sucesso a uma lição que a natação lhe ensinou: “Acordar depois da desilusão é tão importante na natação de competição como num negócio. Tal como na natação, o sucesso nos negócios é medido pela perseverança”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Depois de perder para Phelps, nadador torna-se empreendedor de sucesso