Trabalho

Despedimentos coletivos atingiram mais de 2 mil pessoas até julho

(Ivo Pereira/Global Imagens)
(Ivo Pereira/Global Imagens)

Os despedimentos coletivos aumentaram 18,5% nos primeiros sete meses do ano, revelam os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho.

O número de trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos nos primeiros sete meses do ano aumentou 18,5% face ao mesmo período do ano passado, atingindo 2.510 pessoas, revelam dados da DGERT.

Os dados da Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT) revelam que de janeiro a julho deste ano ocorreram 183 processos de despedimento coletivo, número que compara com 243 no mesmo período do ano passado.

Porém, o número de trabalhadores que perderam o emprego nestes processos foi de 2.510 nos primeiros sete meses de 2018, contra 2.118 no período homólogo.

Os 183 processos de despedimento coletivo até julho ocorreram sobretudo nas pequenas empresas (78) e nas microempresas (74), seguindo-se as médias (23) e as grandes empresas (8).

Apesar do balanço acumulado dos primeiros sete meses revelar um aumento do número de trabalhadores despedidos, o mês de julho registou uma descida de 71% comparativamente ao mesmo mês do ano passado.

Em julho foram abrangidos pelo despedimento coletivo 139 trabalhadores (contra 483 em julho de 2017), num total de 27 processos comunicados à DGERT, o que representa menos 23% de processos face ao mês homólogo.

O número de trabalhadores abrangidos no mês de julho de 2018 é o mais baixo desde pelo menos 2012, ano em que Portugal estava sob a intervenção da ‘troika’ e em que se registou o valor mais alto de sempre, com 10.488 trabalhadores despedidos neste âmbito.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Despedimentos coletivos atingiram mais de 2 mil pessoas até julho